terça-feira, 24 de julho de 2018

O neofascismo português financiado pela Google

A ideia de que as novas tecnologias apoiam a Democracia é um erro.

Quem quer saber o que é o fascismo leia apenas o «Observador», durante uma semana.


Eu leio o «Observador» pelas mesmas razões por que leio o Mein Kampf de Hitler. Para saber o que pensa a direita mais reaccionária.

Quando leio o «Observador», geralmente vou directamente para o Jardim Zoológico onde estão as opiniões de quem escreve num site que é sustentado pela extrema-direita do mundo empresarial português, que não se quer expor.



«Observador volta a vencer financiamento da Google com novo projeto

O Observador foi um dos escolhidos para integrar a Digital News Initiative, com o projeto "Into the Voice". Na totalidade, os projetos portugueses vão receber 1,418 milhões de euros.
O Observador é um dos órgãos de comunicação social portugueses escolhidos para integrar a Digital News Initiative (DNI). A iniciativa do Google, que tem por objetivo promover novas ideias e o desenvolvimento tecnológico dos media digitais, vai disponibilizar 1,418 milhões de euros a cinco projetos portugueses de jornalismo digital na quinta ronda do Fundo de Inovação da DNI.
Nesta quinta ronda de financiamento foram escolhidos cinco projetos nacionais: três de grande dimensão (onde se inclui o Observador), um de média dimensão e um “protótipo”. O projeto do Observador, batizado “Into the Voice“, promete repensar o processo noticioso para produzir conteúdo áudio disponível em todas as plataformas, onde quer que o utilizador esteja, seja através de live-stream ou oferta on-demand.

Desde a primeira ronda, em fevereiro de 2016, o Fundo de Inovação Digital News Initiative Innovation, que tem por objetivo apoiar jornalismo de alta qualidade através da tecnologia e inovação, já atribuiu a Portugal cerca de €7.187M. Nesse ano, também foi atribuído um financiamento ao Observador, que concorreu com um projeto de desenvolvimento de novas soluções tecnológicas que tinham por objetivo enriquecer os conteúdos e melhorar significativamente a experiência do utilizador.
Este ano, entre 820 candidaturas provenientes de startups de media e players tradicionais, publishers onlinebroadcasters áudio e de vídeo, de revistas e do meio académico, foram escolhidos 98. A lista de vencedores a nível nacional integra, para além do Observador, os grupos Media Capital e Cofina, o Diário de Notícias e o The Mosted.»

[In Observador pt]

Sem comentários:

Enviar um comentário