sábado, 12 de maio de 2018

A Guerra Eterna, para durar eternamente, do Estado de Israel contra os países muçulmanos

Os judeus e a Palestina - II

Não foram os árabes da Palestina que andaram a exterminar os judeus. Os palestinianos acabaram por pagar pelos crimes praticados por outros, concretamente pelos alemães. O tal Estado árabe-palestiniano ainda hoje não é independente, devido às ambições israelitas, patrocinadas pelos países da NATO. A parte desse tal Estado independente árabe-palestiniano, denominado Palestina, que é administrada pelos palestinianos, está sob permanente ameaça militar do Estado de Israel.
A seguir são apresentados a verde os países que já reconheceram o Estado Independente da Palestina

São a maioria esmagadora dos países do Mundo.


É mais ou menos consensual entre os países que reconheceram o Estado Independente da Palestina a especificação das fronteiras do Estado de Israel e do Estado da Palestina, as de 1967, antes da chamada «Guerra dos seis dias».
Só não reconhecem o Estado Independente da Palestina os países súbditos do Império dos Estados Unidos, como é o caso do país súbdito Portugal.


A espécie humana é como é e os judeus aprenderam a selvajaria com os alemães do III Reich e passaram a aplicá-la sobre os palestinianos, andam a aplicá-la há 70 anos sobre os palestinianos, com meios fornecidos pelos Estados Unidos, que são cúmplices directos desta nova barbárie.


O Estado de Israel semeia a destruição e a morte à sua volta, em diferentes fases de uma guerra interminável contra os palestinianos e outros muçulmanos que os têm tentado ajudar. Os Estados Unidos estiveram directamente envolvidos em todas as guerras realizadas pelo Estado de Israel, episódios mais sangrentos de uma guerra mais vasta israelo-muçulmana, que começou em 1948 e ainda continua. Os israelitas pensam que esta guerra durará muito mais tempo que a Guerra dos Cem Anos dos ingleses contra os franceses.


O único israelita, com poder efectivo, que verdadeiramente quis acabar com esta guerra e fazer um tratado de paz definitivo foi o general Yitzhak Rabin, e, por isso, foi assassinado por um judeu.


Agora está a ser preparada mais uma guerra, desta vez contra o Irão, cuja população nem sequer é árabe, é persa, o Irão é a antiga Pérsia, por Israel e pelos Estados Unidos, mais uma guerra no contexto mais vasto da guerra judaico-muçulmana que começou em 1948.


Esta sede de oprimir, torturar, destruir, ferir e matar do Estado de Israel e dos Estados Unidos continua insaciável e imparável.


Países-colónias dos Estados Unidos que não reconhecem o Estado Independente da Palestina:
América do Norte – Canadá, México
América do Sul – Colômbia
África – Camarões, Eritreia
Europa – França, Alemanha, Itália, Espanha, Portugal, Noruega, Finlândia, Reino Unido, Irlanda, Áustria, Holanda, Bélgica, Luxemburgo, Suíça, Eslovénia, Croácia, Grécia, Estónia, Letónia, Lituânia, Malta, Moldova
Ásia – Israel, Japão, Coreia do Sul, Miamar
Oceânia - Austrália, Nova Zelândia
Todos estes países que não reconhecem o Estado Independente da Palestina são todos caracterizados pelo total e absoluto desprezo pelos Direitos Humanos e pelo total e absoluto desprezo pelo Direito Internacional.

Sem comentários:

Enviar um comentário