quarta-feira, 25 de abril de 2018

25 de Abril - análise

PORTUGAL – A REVOLUÇÃO DE 25 DE ABRIL DE 1974 VISTA DE 2012

Portugal é um país muito antigo e permite fazer comparações com o passado. O reino de Portugal enquanto feudo do imperador de Leão e Castela existe desde 1143 e como reino independente desde 1179. A independência foi concedida pela bula papal «Manifestis Probatum» de 1179, que libertou o rei de Portugal, D. Afonso Henriques, de qualquer vassalagem, a não ser ao papa, como era habitual na época.


As fronteiras de Portugal são as mais antigas de toda a Europa. É bom lembrar que as fronteiras da actual Alemanha foram estabelecidas em 1945 e as de Portugal em 1297, pelo Tratado de Alcanices, assinado pelo rei D. Dinis e pelo rei de Leão e Castela. Portugal perdeu para Espanha, no século XIX, Olivença, no Alentejo, devido à incompetência da diplomacia portuguesa do século XIX.


Agora que tanto se fala em globalização convém não esquecer que o descobrimento do caminho marítimo da Europa para a Índia por Vasco da Gama em 1497 foi um grande passo na globalização.


Agora que as Américas têm tão grande influência no Mundo, convém não esquecer que o descobrimento da América pelo italiano de Génova Cristóvão Colombo, ao serviço dos reis de Castela e Aragão, foi precedido de uma recusa do rei de Portugal D. João II a Colombo do financiamento de uma expedição para descobrir o caminho marítimo para a Índia, navegando sempre para Ocidente. D. João II sabia que essa viagem teoricamente era viável, porque se desconhecia a existência do Continente Americano, mas pensava que Colombo e os marinheiros morreriam pelo caminho devido à grande distância a percorrer, e que seria mais seguro descobrir o caminho marítimo para a Índia pelo sul da África. Colombo morreu a pensar que tinha chegado à Índia, mas D. João II ao estabelecer um acordo com os reis de Castela e Aragão sobre os espaços a descobrir no futuro, formalizado no Tratado de Tordesilhas, teve o cuidado de incluir na parte destinada a Portugal o Brasil, que oficialmente, não era conhecido, o que faz crer que os portugueses descobriram o Brasil antes de 1500, ou, pelo menos, tinham indícios convincentes da sua possível existência.


Portugal perdeu a independência para a Espanha em 1580, mas recuperou-a em 1 de Dezembro de 1640, que deixou de ser feriado, por decisão dos estúpidos e ignorantes do governo PSD-CDS.


A bancarrota no reinado de D. Carlos começou com a crise financeira de 1891. No mês de Maio de 1891 foi suspensa por 90 dias a conversão das notas de banco. Oficialmente foi declarada a bancarrota no dia 13 de Junho de 1892, quando o Estado assumiu a impossibilidade de pagar os juros da dívida pública.


Em 2012 Portugal perdeu a independência,  formalmente não, mas na prática sim, tal como em 1580, agora pelas mãos de Passos Coelho, Paulo Portas, António José Seguro e Cavaco Silva. Neste momento, em 25 de Abril de 2012, Portugal, na prática, é governado pela Alemanha, através de Ângela Merkel. Portugal, na prática, é como que uma colónia da Alemanha.




     


A Revolução de 25 de Abril de 1974 substituiu uma ditadura por uma democracia. É inegável a superioridade ética e moral da Democracia Contemporânea sobre qualquer tipo de Ditadura.
Jean-Jacques Rousseau um dos teóricos fundadores da Democracia Contemporânea anti-esclavagista associada aos Direitos Humanos, contra a Democracia Grega esclavagista e contra o Parlamentarismo Inglês esclavagista, escreveu no século XVIII em «O Contrato Social», (publicado em Abril de 1762 e queimado em público, por ordem judicial, no mês de Junho seguinte), que os dois primeiros deveres do Estado são assegurar a liberdade e a igualdade. Ora a Revolução do 25 de Abril de 1974 promovia a diminuição das desigualdades sociais, que estão a aumentar em velocidade uniformemente acelerada, por imposição de Ângela Merkel, sancionada pelo PSD, pelo CDS e pelo PS com o apoio do PR Cavaco Silva.

Portugal não tem moeda própria, as medidas governamentais são decididas por estrangeiros, na prática não é um país independente.

Os impostos que segundo a Constituição de 1976 devem ser universais, mas não o são, porque foi lançado um imposto especial sobre os rendimentos só sobre os funcionários públicos, sobre os funcionários das empresas estatais e sobre os pensionistas, o que é ilegal.

Em 25 de Abril de 2012 Portugal caminha em direcção ao abismo social.



Escrevi este texto em 2012. Ele representa a ambiência provocada pelo retrocesso civilizacional imposto pela Troika e pelo governo PSD-CDS.

Sem comentários:

Enviar um comentário