sexta-feira, 24 de março de 2017

A mais selvática criminalidade é a criminalidade legal

Os elementos e elementas da Troika, BCE + CE + FMI são criminosos e criminosas de guerra, tão desumanos e tão desumanas como os nazis e como as nazis.

"Para sempre?


O momento João Duque de Jeroen Dijsselbloem, na excelente fórmula de Nuno Serra, é a versão grosseira de uma ideologia económica inscrita nas regras do euro. Nunca esqueçamos as instituições, as políticas, que dão força material decisiva às narrativas. Quem esquecer isto, quem ficar pelas pessoas, comete um erro intelectual e político decisivo, alimentando a ilusão de que isto muda com a simples rotação de pessoal político.

Precisamente no mesmo dia em que foram conhecidas as declarações de um símbolo da destruição da social-democracia europeia pelo euro, ficámos a saber, graças a Rui Peres Jorge, que o BCE quer ultimato a Portugal: mais reformas ou sanções. Agora que estão convencidos que o perigo deflacionário foi esconjurado, vem ao de cima a mesma chantagem de sempre, a mesma lógica golpista contra as democracias de sempre, as mesmas reformas com a mesma lógica de sempre: transferir recursos de baixo para cima, de dentro para fora. Para sempre? "

"O momento João Duque de Jeroen Dijsselbloem



As inenarráveis declarações de Jeroen Dijsselbloem a propósito dos países do Sul europeu («não se pode gastar o dinheiro todo em copos e mulheres e depois vir pedir ajuda») superam, em grosseria e mau gosto, a metáfora sobre «cinema e pipocas» a que João Duque recorreu em 2011, numa sessão do movimento independente «Mais Sociedade» (criado por sugestão de Pedro Passos Coelho). Mas o desprezo e a ligeireza, o moralismo sobranceiro e a fraude intelectual são exatamente os mesmos."

[In blog «Ladrõesde Bicicletas»]

Sem comentários:

Enviar um comentário