quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Portugal no IV Reich - facilidade em despedir trabalhadores e em reduzir salários

«Não é surpreendente



1. Não é surpreendente que a representante da Arrow Global na Assembleia da República, Maria Luís Albuquerque, tenha ficado perto de perder o mandato, devido a três faltas injustificadas: continuar a trabalhar, embora agora na oposição, para interesses estrangeiros exige muito trabalho político no estrangeiro, de Manchester a Bruxelas, passando pelo Clube de Bilderberg.

2. Não é surpreendente que a Comissão presidida por Pedro Pita Barros tenha sugerido a gestão por uma operadora de seguros privada de uma ADSE protoprivatizada: depois de ter ajudado à expansão do capitalismo da saúde, dar-se-ia agora uma ajuda ao associado capitalismo financeiro, que também faz mal à saúde.

3. Não é surpreendente que um juiz ultraconservador, que até já se dispôs a ir a tribunal para defender o privilégio dos filhos em matéria de frequência de colégios com contratos de associação, tenha decidido a favor do parasitário capitalismo educativo.

4. Não é surpreendente que o BCE tenha avaliado o seu trabalho de classe em Portugal e concluído que é agora bem mais fácil despedir e reduzir salários. Dado que a contratação depende da procura, que também é salarial, não será surpreendente se a mediocridade económica se continuar a aprofundar neste contexto estrutural.» [In blog «Ladrões de Bicicletas»]

«Olha a novidade!


Eles confessam tudo
mas não tencionam mudar nada !
DN de hoje» [In blog «O Tempo das Cerejas 2»]

Sem comentários:

Enviar um comentário