segunda-feira, 4 de julho de 2016

O império dos vencedores ajudou a criar o Império dos Vencidos conhecido por União Europeia às ordens de Berlim


O Mal não deserta, o Mal reinventa-se, o Mal quer sempre triunfar. O objectivo do Mal é, obviamente fazer mal, mas a terceiros (não aos produtores do Mal), é causar danos, é causar sofrimento.
O Mal na chamada Civilização Ocidental deu origem a dois impérios, no século XXI, o império estadunidense ou Reich dos Estados Unidos, o império dos vencedores e o IV Reich da Alemanha, conhecido  por União Europeia ou Império dos Vencidos.

A «Wikipedia» sedeada nos Estados Unidos, na Flórida, explica muito bem o que não é. Na língua portuguesa apresenta gravíssimos erros de História e de Geografia, no Artigo «Alemanha»

«Por ordens do imperador Augusto (r. 27 a.C.–14 d.C.), o general romano Públio Quintílio Varo começou a invadir a Germânia (um termo usado pelos romanos para definir um território que começava no rio Reno e ia até os Urais), e foi nesse período que as tribos germânicas se tornaram familiarizadas com as táticas de guerra romanas, mantendo no entanto a sua identidade tribal. Em 9 d.C., três legiões romanas lideradas por Varo foram derrotadas pelo líder querusco Armínio na Batalha da Floresta de Teutoburgo. O território da atual Alemanha, assim como os vales dos rios Reno e Danúbio, permaneceram fora do Império Romano.[20] [21]» («Wikipedia, em 4 de Julho de 2016, às 10.30 hora portuguesa)

É gravíssimo um artigo sobre a Alemanha dizendo, que «o território da actual Alemanha, assim como os vales dos rios Reno e Danúbio, permaneceram fora do Império Romano». A incompetência, a ignorância ou a má-fé, do ADN da «Wikipedia», estão expressos neste texto. Colónia, uma das principais cidades da Alemanha em 2016 foi fundada pelos romanos e ainda tem o nome romano. O Sul e Sudoeste da actual Alemanha fizeram parte do Império Romano.
Como foi possível formar-se o Império dos Vencidos na II Guerra Mundial?
Hitler ganhou eleições livres na República (Alemã) de Weimar. Gradualmente, foi aplicando os princípios do nacional-socialismo, que culminaram com o assassinato de cerca de seis milhões de judeus, nomeadamente em Auschwitz e Treblinka, homens mulheres e crianças de todas as idades.
O império alemão nazi, o III Reich, era para durar mil anos, mas durou menos tempo. O nazismo era caracterizado pelo pensamento único, pela afirmação de que não há alternativa, e por uma crueldade absoluta, pelo absoluto desprezo pelo mal infligido a terceiros pelo pensamento único.
O extermínio dos judeus foi um genuíno projecto europeu, da Alemanha no qual colaboram nomeadamente, a França, a Áustria, a Itália, a Finlândia, a Polónia, a Ucrânia, a Letónia, a Estónia, a Lituânia, a Roménia, a Hungria e a Croácia.
Esmagado militarmente pela Rússia Soviética (formalmente URSS) e pelos Estados Unidos, com a ajuda da Inglaterra, o III Reich perdeu todos os territórios a leste dos rios Óder e Neisse (a chamada linha Óder-Neisse), a fronteira leste da Alemanha foi forçada pelos russos a recuar mil anos, para o século dez.
A Alemanha vencida ficou sem Estado, substituído por zonas de ocupação da Rússia, dos Estados Unidos, da Inglaterra e da França.
As zonas de ocupação dos Estados Unidos, da Inglaterra e da França foram unidas e formaram a República Federal da Alemanha, com capital em Bona.
A zona de ocupação russa deu origem à República Democrática Alemã, com capital em Berlim-leste.
A RFA adoptou o modelo capitalista e uma democracia semelhante à República de Weimar, mas o presidente, eleito pelo parlamento ficou com poderes muito reduzidos, por imposição dos Estados Unidos e foi ajudada pelo chamado plano Marshall dos Estados Unidos.
A RDA adoptou o marxismo-leninismo, por imposição da Rússia Soviética.
A parte oeste de Berlim, no meio da RDA, foi transformada numa cidade-estado administrada pelos Estados Unidos, pela Inglaterra e pela França e foi cercada por um muro em elipse, muito semelhante ao muro que separa os Estados Unidos do México e ao muro que separa a Hungria da Sérvia.


A implosão do marxismo-leninismo na Rússia e no resto da Europa, deu origem à reunificação da Alemanha, com capital em Berlim.
O hino da Alemanha reunificada passou a ser a terceira estrofe do hino da Alemanha nazi, com a autorização dos Estados Unidos.
Washington decidiu apoiar um novo imperialismo alemão no século XXI.
A Alemanha actual, em território, é mais pequena do que a França, do que a Espanha e do que a Suécia.


O imperialismo alemão do século XXI tem pés de barro e só é possível com o colaboracionismo da França e com o apoio do Império dos Estados Unidos.


A Zona Euro é uma zona militarizada, o euro é uma moeda militarizada, ao serviço do imperialismo alemão.



O hino da Alemanha actual é a terceira estrofe do hino da Alemanha nazi [Deutschland über alles (A Alemanha acima de tudo)], a música é a mesma.

«Das Lied der Deutschen (A canção dos alemães) ou Deutschlandlied (Canção da Alemanha) é uma canção cuja terceira estrofe é o hino nacional da Alemanha.

Das Lied der Deutschen foi escrita por August Heinrich Hoffmann von Fallersleben, em 1841, na ilha de Helgoland, sobre uma melodia da peça Quarteto do Imperador, composta em 1797 por Joseph Haydn.»

O hino da Alemanha nazi tinha a mesma música de Haydn e era o mesmo poema, que o da Alemanha actual, com 3 estrofes. Hitler escolheu 3 estrofes do poema. A Alemanha Ocidental, oficialmente, não tinha hino. Foi Helmut Khol que escolheu o hino da Alemanha nazi, após a reunificação, a mesma música e o mesmo poema, só que escolheu do hino da Alemanha nazi e retirou a I estrofe e a II estrofe, deixando apenas a III estrofe.




Em alemão
«Das Lied der Deutschen
I
Deutschland, Deutschland über alles,
Über alles in der Welt,
Wenn es stets zu Schutz und Trutze
Brüderlich zusammenhält,
Von der Maas bis an die Memel,
Von der Etsch bis an den Belt
Deutschland, Deutschland über alles,
Über alles in der Welt.
II
Deutsche Frauen, deutsche Treue,
Deutscher Wein und deutscher Sang
Sollen in der Welt behalten
Ihren alten schönen Klang,
Uns zu edler Tat begeistern
Unser ganzes Leben lang.
Deutsche Frauen, deutsche Treue,
Deutscher Wein und deutscher Sang.
III
Einigkeit und Recht und Freiheit
Für das deutsche Vaterland!
Danach laßt uns alle streben
Brüderlich mit Herz und Hand!
Einigkeit und Recht und Freiheit
Sind des Glückes Unterpfand.
Blüh' im Glanze dieses Glückes,
Blühe, deutsches Vaterland.»
Tradução para português
«A Canção dos Alemães
I
Alemanha, Alemanha acima de tudo
Acima de tudo no mundo,
Quando sempre, na defesa e resistência
Fica unida fraternalmente,
Do Mosa ao Nemen
Do Ádige ao Belt
Alemanha, Alemanha acima de tudo
Acima de tudo no mundo.
II
Mulheres alemãs, fidelidade alemã,
Vinho alemão e canto alemão
Devem manter no mundo
O seu velho e belo som,
inspirá-nos para acto nobre
durante toda a nossa vida.
Mulheres alemãs, fidelidade alemã,
Vinho alemão e canto alemão.
III
Unidade e justiça e liberdade
Para a pátria alemã.
Zelaremos todos para isso
Fraternamente com coração e mão!
Unidade e justiça e liberdade
São a garantia da felicidade.
Floresça no esplendor dessa felicidade.

Floresça pátria alemã!» (Fonte: «Wikipedia»)

Sem comentários:

Enviar um comentário