quinta-feira, 30 de junho de 2016

O imperialismo alemão - de Auschwitz à Troika e às troiquisses


Em Auschwitz os alemães escreveram «O TRABALHO LIBERTA». 

Em Auschwitz havia trabalho escravo, nomedamente no extermínio de homens, mulheres e crianças de todas as idades, em nome do conceito de Hitler «Não há alternativa», conceito que continua em vigor em 2016.
Schauble e Ângela Merkel não são nada melhores em termos éticos e morais do que Hitler, são absolutamente indiferentes ao sofrimento das pessoas a quem fazem mal, tal como Hitler e como o chefe do Campo de Extermínio de Auschwitz. 

"Saídas limpas, bons alunos, pressões e perseguições



«Qualquer pessoa com dois dedos de testa económica sabe que o que o Governo português está a fazer vai dar resultados positivos no défice. Controlar o défice público nunca foi um problema, excepto em situações de grave crise financeira internacional. É simples e claro. A austeridade é estúpida porque é mesmo assim. Chega, comprime a economia, reduz o défice externo e dificulta a correcção do défice público, mas, quando é retirada, descomprime a economia e, por essa via, etc., etc. Daí a pressão. Caso contrário, para quê fazê-la? Se tivessem a certeza de que as coisas irão dar mal resultado, ficariam calados. Essa pressão é clara.
Não foi por acaso que Schauble falou depois de o FMI ter estado em Portugal e que o FMI esteve em Portugal na véspera de uma cimeira europeia em que Schauble iria falar. Que esta gente sem escrúpulos faça disto, ainda se percebe, pois eles são só isso. Que essa gente tenha colaboradores internos solícitos, nas televisões e nos jornais, já se percebe menos.»


 «Entretanto, deve ser quase desesperante governar assim, sob indevidas pressões, de agentes externos, de colaboradores internos, mas tem de ser. E deve ser muito difícil para as pessoas, que podem não perceber bem o que se está a passar, serem assustadas quotidianamente desta maneira.
Que país é este? Ponham a mão na consciência. Muitos dos colaboradores internos porventura não saberão o que estão a fazer. Então, perguntem ao vizinho de baixo, ao homem do café, que eles talvez expliquem. Quando é que isto vai acabar? Quando é que Portugal vai dar a voz que deve dar nesta Europa todos os dias mais um bocado de pantanas. A conversa sobre as "multas", sobre outro "resgate", sobre o "corte dos fundos estruturais" são, simplesmente, conversas de perseguição, de pressão, de gente que tem determinados intuitos políticos, de indevido controle político. Pense-se nisso. E não se colabore.
»

Pedro Lains, A pressão" [Cit in blog «Ladrões de Bicicletas»]

Sem comentários:

Enviar um comentário