sábado, 30 de abril de 2016

Os aparelhos ideológicos da alta burguesia


Louis Althusser analisou, com profundidade e poder de selecção e síntese, o conceito ideologia e os aparelhos ideológicos do Estado.

Se, por um lado a burguesia pode utilizar os aparelhos ideológicos do Estado, por outro lado criou os seus próprios aparelhos ideológicos, através dos quais difunde as suas mentiras como se fossem verdades. São poderosos aparelhos ideológicos os meios de comunicação social e as universidades. Mesmo em universidades estatais, há professores catedráticos e outros, que difundem as mentiras convenientes para a alta burguesia, mas as universidades privadas, em países onde têm muito dinheiro, como é o caso dos Estados Unidos, existem, por princípio, para difundirem as conclusões falsas que interessam à alta burguesia. Por exemplo, a desregulamentação das práticas financeiras é boa, por outras palavras, inventar novos crimes de burla é bom, mas para quem rouba, não para quem é roubado.
O neoliberalismo é uma ideologia criminosa como o nazismo. O neoliberalismo aparece na preparação e na execução do golpe de Estado fascista de Pinochet e também na sua consolidação.
As mais selváticas torturas até à morte foram praticadas pela dupla Pinochet-Milton Friedman. Tem especial relevo a tortura lenta, meticulosa, do cantor chileno Victor Jara, com o esfacelamento dos ossos das mãos, com as quais tocava guitarra, porque tanto Pinochet como Milton Friedman, sabiam que um cantor é perigoso a desmontar as falsidades dos aparelhos ideológicos do Estado fascista. Victor Jara foi torturado lentamente e assassinado, porque era uma ameaça para os parelhos ideológicos do Estado fascista. O crime compensa e Pinochet enriqueceu à custa dos seus bárbaros crimes, com dinheiro dos países da NATO, sempre prontos a realizarem práticas nazistas, como os Estados Unidos e os países da CEE.
Na União Europeia, o Eurogrupo é uma organização criminosa não eleita como era a Gestapo e também se dedica à tortura e ao homicídio. A Comissão Europeia e o chamado Banco Central Europeu também são organizações criminosas, como eram as SS nazistas, e que também se dedicam à tortura e ao homicídio.
Os aparelhos ideológicos da alta burguesia chamam «reformas» aos crimes de roubo, fraude fiscal, tortura e homicídio cometidos pela CE, pelo BCE e pelo Eurogrupo. As maiores vítimas destes crimes têm sido os gregos e a seguir os portugueses. Vítor Gaspar andou a roubar os portugueses e agora tem um tacho no FMI, uma organização criminosa, com sede em Washington, que existe apenas para cometer crimes. Sem os seus crimes, não se justificava a sua existência.
Durante o nazismo os criminosos estavam no poder, perderam a guerra e foram julgados e condenados nos Julgamentos de Nuremberga (1945-46). Os dirigentes do BCE, os elementos da CE e do Eurogrupo também seriam julgados e condenados pelos seus crimes se a Humanidade tivesse uma evolução positiva, a curto prazo. No entanto, a evolução da Humanidade anda muito por baixo, em 2016, e prevê-se o desenvolvimento dito «científico» da estupidez humana, estupidez humana essa que constitui a base da opressão das maiorias em Democracia, pela pequena minoria, que é a alta burguesia.




Sem comentários:

Enviar um comentário