quarta-feira, 8 de abril de 2015

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS EM FINAIS DE SETEMBRO OU COMEÇOS DE OUTUBRO DE 2015 PODEM MUDAR PORTUGAL



A caminhada para as próximas eleições legislativas de começos de Outono de 2015 já começou.
Os grandes beneficiários das medidas do governo PSD-CDS foram os elementos da alta burguesia, mas só representam 1% da população.

A evolução da Humanidade está ainda pouco avançada. É este escasso desenvolvimento da Humanidade que produz o paradoxo democrático, que é o facto de muitas das vítimas votarem nos seus carrascos.


O escritor italiano Lampedusa escreveu que «É PRECISO MUDAR TUDO PARA QUE TUDO FIQUE NA MESMA».


Espero que a Esquerda tenha muito mais votos e muito mais deputados que a Direita. Contrariando o pessimismo de Lampedusa, espero que a Direita seja derrotada e que não fique tudo na mesma.


O maior problema da Esquerda portuguesa está no campo teórico. O PS afundou-se no neoliberalismo, com o PASOK, com o SPD e com o PSF. O PCP nunca explicou os graves erros teóricos do conceito DITADURA DO PROLETARIADO, conceito esse que levou à implosão de todo o marxismo-leninismo na Europa. O BE tem lidado mal com a liberdade de expressão, sentiu-se muito incomodado com a liberdade de opinião de Mário Soares, sobre o caso da prisão preventiva ilegal de José Sócrates. Quando o BE virou costas ao presidente negro da República de Angola, José Eduardo dos Santos, deixou estupefacta parte da Esquerda, porque esta atitude neocolonial-racista é típica da extrema-direita!!!! E Portugal chegou a andar a vender angolanos como escravos… O tráfico de escravos foi uma das atitudes mais bárbaras e mais vergonhosas da civilização europeia.
O Partido Livre é constituído por elementos que apoiaram as selvajarias imperiais-coloniais da NATO. Marinho Pinto, um dos mais inteligentes líderes políticos actuais, tem muitíssimo pouca formação teórica, leu muitos livros de Direito, mas poucos sobre as bases históricas da Esquerda.

A Esquerda portuguesa não se entende e o chicote homicida da mão invisível do mercado abate-se sobre os trabalhadores portugueses.


Marx e Engels nunca exerceram o poder político mas inventaram o conceito «ditadura do proletariado» e não previram os abusos de poder que ocorreriam à sombra deste conceito. É, em minha opinião, necessário rever o marxismo em muitos aspectos, mas em primeiro lugar, é necessário excluir o conceito «ditadura do proletariado.

O BE não tem uma consistência ideológica clara, mas não deve esquecer o conceito do Império Romano «à mulher de César não lhe basta ser séria, tem também que parecer séria».


1 comentário:

  1. Está desactualizado, José.
    Com efeito, o PCP, já em 1974 !!! renunciou à formulação (científica) ditadura do proletariado. Não renunciou, honra lhe seja !, ao princípio da ditadura do proletariado na sua formulação revolucionária, científica (sublinho) e civilizacional.
    É verdade que o José sabe muito, mas há áreas onde se perde...De propósito ???

    João Pedro

    ResponderEliminar