quarta-feira, 15 de abril de 2015

CRISE E DECADÊNCIA DE PORTUGAL


Vivemos numa época de crise e de decadência de Portugal.
A submissão a Berlim, directamente ou via Frankfurt e Bruxelas, tem sido uma desgraça para os portugueses
O «Tratado Orçamental» é muito perigoso e foi assinado pelo PSD + CDS + PS.
À Esquerda do PS há falta de coerência teórica, é necessário explicar, pelo PCP, que o conceito «DITADURA DO PROLETARIADO» deu origem à implosão do marxismo-leninismo na Rússia e que o PCP nada tem a ver com esse perigoso conceito. O BE tem que explicar bem qual é a ideologia que lhe serve de referência.
A falta de esperança é a prova de que um regime em que o factor Trabalho perde continuamente direitos, cria um vazio existencial de grandes dimensões. Portugal está em crise e em decadência.

“«Porque é que estamos a discutir as eleições presidenciais de 2016 em vez de discutir as eleições legislativas de 2015? Mais precisamente: porque é que estamos a discutir as presidenciais do ano que vem em vez de discutir a política que o Governo está a levar a cabo hoje e as alternativas que deviam ser postas em prática? (...)

A primeira razão para o interesse prematuro que as eleições presidenciais despertam consiste no facto de essa ser, neste momento, a única coisa política que existe para discutir. Não que não haja temas nem razões diárias para discutir política. O que escasseia são os litigantes nessa discussão, as propostas em cima da mesa e, mais ainda, a defesa firme de uma posição. Faltam ideias e faltam campeões dessas ideias. As arenas onde tudo isto devia acontecer estão quase vazias. O que falta é o PS a fazer oposição e a dizer claramente o que quer e a mostrar que quer algo muito diferente do que o Governo faz. O que falta é o resto da esquerda a mostrar que quer pôr em prática outra política e não apenas enunciá-la. A política tem horror ao vazio e os cidadãos também e, na falta das grandes batalhas exaltantes que devíamos estar a travar, escolhem as batalhas menores, qualquer coisa que lhes dê a sensação de estarem vivos. António Costa não percebe isto e decidiu fazer seu lema a triste boutade de Seguro: “Qual é a pressa?”. (...) Se as presidenciais entram na agenda do PS só depois das legislativas, se o programa de Governo do PS vai ser apresentado em Junho e se entretanto o PS vai para banhos deixando o campo aberto à propaganda do Governo, temos boas razões para nos interrogar se existe realmente um pensamento político alternativo no PS ou apenas um leve enfado por estar na oposição. (...)

Finalmente, há outra boa razão para falar de presidenciais. É que as presidenciais vão ser o momento onde nos veremos livres daquele espectro que assola a política e que nos envergonha tanto ou mais do que PPC. E isso, só por si, é uma boa notícia. E estamos precisados de boas notícias. Nem que seja só daqui a um ano.»


José Vítor Malheiros(Cit. in blog «Entre as brumas da memória»)

Sem comentários:

Enviar um comentário