quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

O GRANDE PROBLEMA DA DEMOCRACIA É QUE AS CLASSES OPRIMIDAS PELA ALTA BURGUESIA, VOTAM, PREFERENCIALMENTE, NOS PARTIDOS QUE DEFENDEM OS INTERESSES DA MINORIA GRANDE-BURGUESA CUSTE O QUE CUSTAR


O livro «A Riqueza da Nações» do escocês Adam Smith ressuscitou do século XVIII, para aterrorizar os trabalhadores do século XXI, é a Bíblia do culto das desigualdades e da opressão das maiorias por uma pequena minoria. Desse livro saiu «a mão invisível do mercado» que chicoteia as costas dos trabalhadores. O factor Trabalho entra em 2015 debaixo de um ataque de grande magnitude, realizado pelo Capital e pelos seus lacaios.
É difícil de perceber como a maioria das populações nas democracias vota nos seus carrascos, mas vota mesmo nos seus opressores. A implosão ideológica da Internacional Socialista com a sua conversão à religião neoliberal é um dos factores mais determinantes neste retrocesso civilizacional que atinge as democracias da União Europeia. E viva a fome, e viva o desemprego e viva o colapso dos direitos laborais e viva a alta burguesia… e viva o empobrecimento das classes mais desfavorecidas e das classes médias...  e viva o inevitável... e viva o não há alternativa…

«Esta convergência dos dois pólos do centro político tradicional em relação às questões fundamentais que determinam a crise tem produzido grande devastação económica e social, que tem sido especialmente acentuada na periferia mas que não deixou as economias do centro intocadas. Há actualmente mais de 26 milhões de desempregados no espaço da União Europeia, dos quais 18,5 milhões na zona Euro. O desemprego jovem atinge 54% em Espanha, 50% na Grécia, 34% em Portugal. A pobreza, absoluta e relativa, tem alastrado a um ponto que julgávamos já impossível na Europa. A crise eterniza-se, sem fim à vista, enquanto os direitos dos cidadãos não param de reduzir-se.

Toda esta devastação e todo este sofrimento eram e são evitáveis. Não são o resultado de um qualquer deus ex-machina, mas de escolhas políticas.» (Alexandre Abreu in blog «Ladrões de Bicicletas»)

Sem comentários:

Enviar um comentário