domingo, 7 de dezembro de 2014

AS ORIGENS TEÓRICAS DA DEMOCRACIA CAPITALISTA E O RETROCESSO CIVILIZACIONAL IMPOSTO PELO NEOLIBERALISMO NA EUROPA EM 2014


Não foi por acaso que a I República da França realizou uma grandiosa cerimónia de trasladação dos restos mortais de Jean-Jacques Rousseau para o Panteão da França, em Paris, em 1794. No «Contrato Social» Jean-Jacques Rousseau defendeu a República contra a Monarquia e a SOBERANIA POPULAR, expressa através do voto universal em eleições livres, num contexto de liberdade de expressão de pensamento, numa sociedade sem escravos em que todos os homens deviam ser iguais perante a lei.
Referi o chamado iluminismo mais avançado, revolucionário, que já não se contentava com reformas do regime, mas que queria destruir o chamado Antigo Regime e criar um novo.
O iluminismo da primeira fase era pragmático-reformista. Alguns iluministas da primeira fase, acharam, por pragmatismo, que o mais fácil era aproveitar o poder do rei e influenciar esse poder, para que fossem feitas reformas que promovessem o progresso, nomeadamente no Ensino, retirando o poder ao clero de dominar o Ensino numa perspectiva obscurantista, retrógrada, que bloqueava a investigação científica, nomeadamente através dos jesuítas, adversários da investigação científica.
As monarquias europeias para sobreviverem aceitaram a perda de poder do rei, deixando triunfar, de facto, o conceito SOBERANIA POPULAR, expresso através do voto universal em eleições livres, num contexto de liberdade de expressão de pensamento, na segunda metade do século XX.
A democracia capitalista estruturou-se, num processo de longa duração, com início teórico com o iluminismo revolucionário do século XVIII. As críticas marxistas aos abusos dos capitalistas e as lutas sindicais e as lutas das mulheres contribuíram para a evolução da democracia capitalista. O aparente sucesso do marxismo-leninismo-estalinismo foi um factor que levou os capitalistas a fazerem cedências aos trabalhadores.
A implosão dos regimes marxistas-leninistas na Europa, encorajou, acentuadamente, os capitalistas e os políticos ao seu serviço, para procederem a um retrocesso civilizacional de grande envergadura. É esse retrocesso civilizacional que a União Europeia quer fazer, a União Europeia está empenhada em reforçar os abusos dos capitalistas e a sua riqueza, a troco da diminuição dos direitos dos trabalhadores.

A ideologia que está por detrás deste retrocesso civilizacional que pretende enriquecer, cada vez mais, a alta burguesia e empobrecer os trabalhadores, é o neoliberalismo. Este avanço do neoliberalismo é um processo implacável para os trabalhadores, que têm que empobrecer, segundo a alta burguesia e os seus lacaios. É este ambiente de retrocesso civilizacional, imposto pelo neoliberalismo, que se vive em Portugal. O neoliberalismo, em Portugal, tem beneficiado a alta burguesia e penalizado as classes médias e as outras abaixo.

Sem comentários:

Enviar um comentário