quarta-feira, 1 de outubro de 2014

O PNR E O PÓS-PROGRESSISMO


O partido da extrema-direita portuguesa PNR (Partido Nacional Renovador) fez uma manifestação em Lisboa na Rua Augusta que liga o Terreiro do Passo ao Rossio, em que apresentava um cartaz contra a corrupção no qual estava uma fotografia duma forca.
Quero lembrar para os esquecidos que todos os portugueses que frequentaram a Escola primária desde 1936 (Decreto-Lei nº 26 611 de 19 de Maio de 1936) foram, obrigatoriamente, inscritos na Mocidade Portuguesa, porque durante o governo de Salazar ser da Mocidade Portuguesa não era uma escolha, mas uma imposição. Só os analfabetos é que não eram inscritos, porque não iam ser matriculados na 1ª classe. Marcelo Caetano é que tornou opcional a inscrição na Mocidade Portuguesa, a partir de 1971.
O pós-progressismo começou com a ressaca dos focos de guerra-civil que ocorreram de 25 de Abril de 1974 a 25 de Novembro de 1975. Um caso tipicamente nazi ocorreu em Braga, sob a direcção do cónego Melo, copiada da Noite de Cristal hitleriana, foi a Tarde de Cristal Bracarense, caracterizada por perseguições muito violentas a todos os elementos à esquerda do PS e pelo ataque e incêndio por fogo posto pela extrema-direita à sede do PCP no Campo da Vinha. Numa vila muito pouco conhecida chamada Ponte de Lima, no distrito de Viana do Castelo, foi assaltado e incendiado o edifício onde eram a sede do PCP e do MES (Movimento da Esquerda Socialista). Os indivíduos do MES optaram por não defender o edifício ao contrário do PCP que defendeu o edifício, mas um militante do PCP foi assassinado a tiros de metralhadora por ordem do oficial do quartel de Viana do Castelo, que se deslocou a Ponte de Lima com uma força militar para apoiar a extrema-direita. Um militante do MES foi, violentamente, agredido na cabeça com uma paulada e esteve entre a vida e a morte. A crueldade do PNR da altura era tal, que foram agredidos os bombeiros que foram levar o referido militante do MES para o hospital.


A Tarde de Cristal Bracarense terminou com a tomada da cidade pelos Fuzileiros Navais, que impuseram a rendição incondicional do quartel de Braga, da GNR e da PSP, que apoiavam a extrema-direita. Todos os militares e polícias de Braga foram obrigados pelos Fuzileiros Navais, com uma força apoiada por blindados, a permanecerem dentro dos quartéis e esquadras. Um elemento isolado da PSP desobedeceu aos Fuzileiros Navais e foi imediatamente atingido a tiro de metralhadora pelos Fuzileiros Navais.

O PNR representa o fascista Jaime Neves e outros como ele e muitos que hoje criticam o PNR andaram a incendiar sedes do PCP sob a direcção do PNR da altura.

2 comentários:

  1. O PNR nasceu em 2000 e não no verão quente de 75, o anti-comunismo da altura era feito pelo partido socialista, quem não conhece a historia até pode acreditar nesta treta.

    ResponderEliminar
  2. Comunismo, Nazismo e Fascismo é tudo a mesma merda, só muda o nome!!!

    ResponderEliminar