sexta-feira, 12 de setembro de 2014

OS MÍDIA OCIDENTAIS DOMINANTES MENTEM DE TAL MANEIRA SOBRE A GUERRA DA UCRÂNIA QUE PODEMOS CONCLUIR QUE ESTÃO EM GUERRA CONTRA A INTELIGÊNCIA E A INSTRUÇÃO DAS PESSOAS


As mentiras são colossais quer nos mídia dos Estados Unidos quer nos mídia dos países seus súbditos alinhados na NATO e na União Europeia (convém não esquecer que dos países da União Europeia só não pertencem à NATO a Suécia, a Finlândia, a Irlanda e a Áustria).
Nos Estados Unidos nem todos os políticos partilham a visão mentirosa dos atrás referidos mídia, como Paul Craig Roberts, que vou citar a seguir. (Paul Craig Roberts é um político conservador estadunidense, que foi subscretário do Tesouro na Administração Reagan, economista, que publicou livros e textos em jornais como o Wall Street Journal, que se opões à política externa dos neoconservadores).

«A Crise na Ucrânia continua por resolver
Paul Craig Roberts
10 de setembro de 2014
 
Alguns comentaristas ocidentais interpretaram o cessar-fogo na Ucrânia obtido pelo presidente Putin como uma vitória para a Rússia. O raciocínio é que o cessar-fogo deixa a Ucrânia com fronteiras contestadas, o que exclui a integração da Ucrânia na NATO.
Mas será que o cessar-fogo vai durar? As milícias de Kiev de direita, cujos membros muitas vezes usam insígnias nazis, não estão sob o controle completo de Kiev. Estas milícias podem facilmente violar o cessar-fogo, e já há relatos de violações crescentes. Além disso, o oligarca bilionário que Washington instalou em Kiev como presidente da Ucrânia irá violar o cessar-fogo sob as ordens de Washington, a não ser, é claro, que Putin coloque o temor de Deus nele.
Para um estratega militar a resposta russa ao trabalho que Washington fez (…) na Ucrânia, mais uma parte da Rússia do que dos EUA já existe (…). A Rússia perdeu a Ucrânia por causa da sua fraqueza quando a União Soviética entrou em colapso, e Washington forçou a Rússia (…) a permitir uma Ucrânia independente, que serviu os propósitos de Washington de dividir a Federação Russa.
Os ucranianos ocidentais, que lutaram por Hitler durante a Segunda Guerra Mundial, mantiveram uma impressionante organização de lobby em Washington e garantiram a independência do seu país, mas eles não controlam a Ucrânia, porque grande parte do país é composta por antigos territórios russos que fizeram parte da Ucrânia devido a líderes soviéticos no século XX.
Laços de sangue, casamentos mistos ao longo dos séculos e inter-relações económicas vinculadas entre a Rússia e a Ucrânia alcançadas ao longo dos séculos, essencialmente, tornaram a Ucrânia como parte da Rússia, durante séculos.
Isso frustrou os neoconservadores, que controlavam o governo dos Estados Unidos desde os Clintons corruptos, cujo regime trouxe corrupção tipo Terceiro Mundo à vida política americana.  Lembre-se de Robert Reich, amigo da universidade de Clinton e do secretário do Trabalho, que pediu a demissão do gabinete de Clinton. Clinton traiu o eleitorado que o elegeu, como fez Obama. A esposa (…) de Clinton, aliada dos sionistas de Israel, dos banksters, e do complexo militar / segurança, é actualmente favorita dos democratas para a sua próxima candidatura presidencial.
(…) As dinastias são agora a fonte da liderança presidencial. E, como aconteceu em Roma, os EUA estão no caminho da destruição, que ocorre quando as ambições de líderes têm prevalência sobre o destino do país. Manter a Ucrânia fora da NATO é, sem dúvida, uma meta do governo russo. No entanto, o problema que Washington trouxe para a Rússia, na Ucrânia, ao orquestrar um golpe de Estado, com a instalação de um governo fantoche, que desencadeou a violência contra os moradores dos antigos territórios russos que os líderes soviéticos entregaram à Ucrânia, está sendo usado para fins mais amplos do que incorporar a Ucrânia no âmbito da NATO.
Por outras palavras, os objectivos estratégicos de Washington vão além da adesão da Ucrânia à NATO.
Um dos objectivos é quebrar as relações económicas e políticas entre a Europa e a Rússia.  Usando a Ucrânia para demonizar a Rússia, Washington tem pressionado a União Europeia a impor sanções sobre a Rússia que perturbaram as relações comerciais e criaram desconfiança.
A desconfiança serve o propósito de Washington. Washington tem demonstrado à Rússia que os EUA têm comprado e pago políticos europeus, que não estão dispostos a ter políticas externas independentes de Washington. A falta de uma política independente da Europa significa que o governo russo está prejudicado no uso da diplomacia.
Outra meta de Washington é colocar forças militares nas fronteiras da Rússia. A NATO tem usado a "crise" para atiçar o medo da Rússia nos países bálticos e na Polónia. Washington e os generais da NATO falam de ataques russos como se fosse uma conclusão de que a Rússia tem a intenção de invadir a Europa Oriental.  Para se proteger contra a "ameaça russa", a NATO criou uma "força de reacção rápida" e está fazendo fornecimentos de equipamento militar e novas bases junto às fronteiras da Rússia. Independentemente do resultado na Ucrânia, Washington tem utilizado Ucrânia para iniciar uma nova Guerra Fria.
Os meios de comunicação ocidentais, são um conjunto de propagandistas do governo dos EUA, têm deturpado a situação na Ucrânia desde o início. No lugar da cobertura de notícias, houve propaganda contra a Rússia. Consequentemente, os povos ocidentais, que confiam nos meios de comunicação estão mal informados sobre a Ucrânia e colocam toda a culpa na Rússia. O facto de o povo americano estar mal informado torna mais fácil para Washington continuar a orquestrar eventos em desvantagem da Rússia.
Washington não tem interesse em resolver os problemas na Ucrânia. Washington tem utilizado com sucesso a Ucrânia para criar o medo da Rússia na Europa e nos Estados Unidos. Washington tem utilizado com sucesso a Ucrânia para prejudicar as relações económicas e políticas Europa-Rússia, e Washington conseguiu iniciar uma nova Guerra Fria, que vai fazer os lucros aumentarem para o complexo militar / de segurança dos Estados Unidos.
Como o governo de Kiev é um fantoche de Washington, não há razão para esperar uma resolução do conflito que Washington trouxe à Ucrânia e à Rússia.
Não é só Washington que rejeita uma resolução das dificuldades ucranianos criadas por Washington, mas também a União Europeia. O fantoche de Washington, Herman Van Rompuy, (…) está à frente do Conselho Europeu, se as notícias estiverem correctas, o que elas raramente são,  a União Europeia está a impor sanções às empresas de energia russas Rosneft, Gazpromneft e Transneft bem como a empresas estatais, com volume de negócios de mais de 27 000 milhões dólares por ano.
(…)
Os neoconservadores norte-americanos, um quadro desordenado de belicistas, estão acusando Obama de "fraqueza" por não enviar tropas para a Ucrânia. Os neocons, que envolveram os EUA desde o regime de Clinton nem caras agressões militares no exterior, afirmam que a liderança de Obama resultou numa NATO a perder a sua vontade e sua força.

Resta ao governo russo mostrar  todos os músculos à Ucrânia e à Europa.»

Sem comentários:

Enviar um comentário