quinta-feira, 3 de julho de 2014

A SELVAJARIA DO REGIME FASCISTA-NAZI DE KIEV FOI PLANEADA, ORGANIZADA, APOIADA E FINANCIADA PELA UNIÃO EUROPEIA E POR WASHINGTON




"Obrigado, Força Aérea da Ucrânia": moradores bombardeados acusam Kiev de matar civis

RT

  03 de julho de 2014
  
A aldeia de Kondrashovka no leste da Ucrânia ficou arrasada depois de ataques de tropas de Kiev, que mataram sete pessoas.  Corpos rasgados em pedaços estão espalhados em todo o assentamento e os que sobreviveram estão perguntando: por que Kiev mata as suas famílias?


Pelo menos cinco granadas de artilharia foram lançadas, destruindo uma rua inteira numa comunidade pacífica na região de Lugansk, localizada apenas a 25 km da cidade de Lugansk.
Cenas dramáticas da RT mostram a aldeia devastada, incluindo o quintal de um morador local, que foi literalmente transformado num cemitério. "Eles mataram a minha mãe, e o meu pai está ferido.  Eu levei-o para o hospital ", disse Aleksandre Mironenko, o dono do quintal (…), à jornalista da RT Marina Finoshina.

Aleksandre estava desesperadamente (…) mostrando pedaços de carne humana espalhados por toda a propriedade.» Chama-se a isto carne humana democratizada pela União Europeia e por Washington.

«"Venha aqui - você pode ver isto?  É um corpo humano que foi feito em pedaços.  Vamos filmar um pouco mais, eu vou-lhe mostrar. Corpos em todos os lugares, obviamente, todos eles são terroristas ",  disse ele sarcasticamente através de lágrimas.» É mais um sucesso, organizado, apoiado e financiado pela União Europeia e pelos Estados Unidos.
  «Logo ao lado, os moradores de Kondrashovka estão contando uma história trágica de um seu amigo, que perdeu o seu filho de 5 anos de idade.
"Ele celebrou o quinto aniversário do seu filho ontem, e hoje, a perna do garoto foi cortada - Eu não sei se ele está vivo ou não", disse Sergey, um vizinho.
"Não, não, ele morreu, disse outro homem.
"Ele morreu?  Sim. (…) Ele morreu ", acrescentou Sergey.
  Poucos dos moradores da aldeia ficaram ilesos depois do bombardeamento» à maneira hitleriana. «Um dos 'sortudos', Andrey, disse que a sua família não estava em casa quando o bombardeamento começou. No entanto, a sua propriedade foi seriamente danificada. Ele mostrou à RT as marcas das bombas em cima do muro.
"O que eu acho? "Obrigado, Força Aérea da Ucrânia", disse ele, acrescentando que a sua família teria morrido se tivessem estado lá quando o ataque foi realizado.
Moradores atordoados perguntar por que o governo tem como meta a devastação da sua aldeia pacífica. Tropas de Kiev alegaram que estavam matando 'terroristas', embora aqui o termo incluísse mulheres, crianças e idosos.» A União Europeia e Washington deliciam-se com estes massacres de homens mulheres e crianças de todas as idades, tipicamente hitlerianos.
«"Por quê? Não havia ninguém por aqui - apenas civis pacíficos, pessoas pobres que trabalhavam de sol a sol ", disse uma mulher local.
Nós não nos importamos por Poroshenko estar no poder", diz Irina Stasyuk, uma moradora local," Mas não para nos matar. ”Há 12 pessoas aqui. "Yury, um piloto militar veterano, tinha a sua própria opinião sobre o porquê de as tropas bombardearem a aldeia.  Ele disse que a aeronave (…),por qualquer engano ou intencionalmente tinha ateado fogo a residências civis.
"(…) O piloto da aeronave bombardeou por erro, ou ele recebeu uma ordem para atingir esta aldeia.  Eu não sei. "
 Nesse meio tempo, (…) o vice-comandante  Azov pró-Kiev admitiu que o bombardeamento de Kondrashovka poderia ter sido o resultado de "erro do piloto".
(…)  Mesmo após o ataque, o resto da aldeia não é seguro, pois durante as entrevistas bombardeamentos podiam, claramente, ser ouvidos.
  A equipa da RT visitou o hospital local, onde não havia água e eletricidade desde que a estação de energia local foi atingida noutro ataque aéreo.
"Recebemos 13 pessoas - quatro deles já estão mortos, incluindo uma criança de cinco anos de idade, um menino," disse Maksim Pavlov do hospital central à RT.
Entre os feridos está Ivan Mironenko, pai de Aleksandre, um morador local, que antes falou com a RT.
Depois Ivan perdeu a esposa no ataque, ele não quer mais viver (…) "Por que ela estava morta?  Por que não eu? Por que Deus está-me punindo assim? " Exclamou Ivan, soluçando.
  Moscovo exige que as autoridades ucranianas parem de bombardear civis no país, a fim de salvar a vida da população local, disse o russo Sergey Lavrov numa conferência de imprensa com o seu homólogo marroquino.
"Os países ocidentais deveriam exortar Kiev para acompanhar a declaração aprovada em Berlim, que exige a formação de um grupo de contacto especial com o objectivo de estabelecer uma trégua na Ucrânia", acrescentou.
Um roteiro de medidas que apontam um caminho para sair da crise da Ucrânia foi acordado (…) em conversações entre os ministros das Relações Exteriores da Alemanha, França, Rússia e Ucrânia, em 2 de Julho.
As regiões do leste da Ucrânia têm sido continuamente alvo de tropas de Kiev nos últimos meses. Na quarta-feira, as autoridades ucranianas disseram que 279 pessoas morreram na Região de  Donetsk  desde o início da guerra (…) 160 delas civis.  Dados para a Região de Lugansk não foram revelados.
Temendo um aprofundamento da crise, dezenas de refugiados deixaram o país. O número de refugiados ucranianos na Rússia atingiu 110.000 pessoas,   declarou o departamento de refugiados da ONU, em 27 de Junho.

As autoridades russas condenaram, fortemente, os ataques a civis por parte das forças de Kiev no leste da Ucrânia.» (Fonte: «Um Novo Despertar 2)

Sem comentários:

Enviar um comentário