segunda-feira, 21 de julho de 2014

A SELVAJARIA DEMOCRÁTICA EM GAZA, À BOA MANEIRA NAZI

Uma deputada judia disse que as mulheres palestinianas deviam ser mortas porque tinham ou poderiam vir a ter filhos.
Washington e a União Europeia organizaram, financiam e apoiam a chacina de mulheres e crianças palestinianas em Gaza.

Os mesmos que tanto lamentam a morte dos passageiros de um avião da Malásia que sobrevoou uma zona de guerra com  bombardeamentos aéreos, são os mesmos que apoiam até às lágrimas os bárbaros crimes cometidos pelos judeus em Gaza.


As mães palestinianas que vêem os seus filhos assassinados pelos judeus, certamente que lamentam que Hitler não tenha exterminado mesmo todos os judeus. A selvajaria dos judeus em Gaza, em certa medida, justifica o extermínio dos judeus por Hitler, à posteriori. Se Hitler tivesse exterminado mesmo todos os judeus os palestinianos estavam muito mais seguros. As mães palestinianas que vêem os seus filhos mortos pelos israelitas, provavelmente, terão destes pensamentos.


A barbárie em nome da democracia é uma modalidade de barbárie, mas está na moda nos países da NATO.

Esta judia Ayelet Shaked

defende a matança das mulheres palestinianas.


«A well-known Israeli politician and parliament member has branded  Palestinians as terrorists, saying mothers of all Palestinians should also be killed during the ongoing Israeli assault on the besieged Gaza Strip, Daily Sabah reported.»

Sem comentários:

Enviar um comentário