quinta-feira, 27 de março de 2014

ESCUTAS TELEFÓNICAS COMPROMETEDORAS PARA A NATO E PARA A UNIÃO EUROPEIA




«CONTRATEMPOS TELEFÔNICOS

Revelada a Agenda Secreta de Ashton e Nuland


 | WASHINGTON D.C.  
+



JPEG - 17.8 kb
Duas mulheres belicistas que representam o instrumento de política externa do Ocidente, a Secretária Assistente de Estado dos EUA para Assuntos Europeus e Euroasiáticos, Victoria Nuland, e a funcionária da UE e antiga ativista da Campanha Britânica para o Desarmamento Nuclear, Catherine Ashton, viram sua agenda secreta para a Ucrânia revelar-se como resultado de conversas telefônicas vazadas. Ashton, cuja conversa ao telefone com o Ministro dos Negócios Estrangeiros estonianos Urmas Paet foi a segunda conversa reveladora ao telefone a ser vazada, detém o título nobre de Alta Representante para Assuntos Externos e Política de Segurança para a União Europeia e o título bastante feudal e sem sentido de Baronesa Ashton de Upholland.
Os apoiantes de Ashton têm uma visão exagerada de suas realizações. Como de fato Ministra de Negócios Estrangeiros da UE, Ashton foi pêga em vídeo, em 2012, na sede da UE, em Bruxelas, em alvoroço porque nem ela nem o enviado britânico para os Balcãs, Robert Cooper, sabiam qual seria a aparência do Presidente da Sérvia, Tomislav Nikolic, momentos antes da cerimônia oficial de boas-vindas para ele em Bruxelas. Ashton é casada com o jornalista britânico Peter Kellner. Kellner é um executivo da companhia britânica de sondagem de opinião YouGov, que alimenta não só os números de sondagens políticas, mas também as pesquisas sobre os favoritos a ganhar em programas fúteis de televisão britânica como Pop Idol e X-Factor para uma mídia sedenta de informação-entretenimento.
Em uma chamada de telefone em 26 de fevereiro entre Paet e Ashton, o Ministro dos Negócios Estrangeiros estoniano disse que policiais e manifestantes ucranianos foram baleados pelos mesmos franco-atiradores [1]. Paet visitou Kiev em 25 de fevereiro, durante ditos confrontos violentos entre manifestantes e forças de segurança do governo na Praça Maidan. Agora, fica evidente que a violência foi alimentada por franco-atiradores e outros provocadores, incluindo quadrilhas neonazistas e mercenários estrangeiros, na folha de pagamento da oposição política ucraniana.
Paet disse a Ashton que uma médica ucraniana, que também disse ser líder da «sociedade civil» ucraniana, Dra. Olga Bogomolets, convenceu o oficial estoniano visitante que as balas que atingiram os manifestantes e os policiais vieram todas das mesmas armas, e que a oposição estava encobrindo os atiradores. Bogomolets está longe de ser uma defensora do exilado Presidente da Ucrânia Viktor Yanukovych. Ela foi a médica pessoal do Presidente Viktor Yushchenko , instalado pela «Revolução Laranja», e ela recebeu um prêmio da Radio Liberty, financiada pela CIA e por George Soros. Além disso, Bogomolets instou seus estudantes de medicina a tomar parte nos protestos chamados Euromaidan em Kiev.
Bogomolets convenceu Paet de que as balas que atingiram os manifestantes e policiais, igualmente, na Praça Maidan, foram disparadas pelas mesmas armas, e de que a oposição estava por trás dos ataques. Também é interessante notar que Bogomolets disse que ela recusou uma oferta pelos líderes da oposição para servir na posição de Vice Primeira-Ministra da Ucrânia para Assuntos Humanitários no novo governo.
De acordo com a chamada telefônica, dita ter sido interceptada e transcrita por oficiais leais a Yanukovych no Serviço de Segurança da Ucrânia (SSU), Ashton finge «choque» sobre a noção veiculada por Paet de que a oposição ucraniana provavelmente matou mais de 70 de seus próprios partidários, bem como policiais ucranianos. Os ataques dos franco-atiradores consistiram em uma operação «clandestina» da oposição ucraniana, juntamente com seus patrocinadores ocidentais, para gerar simpatia e apoio do público.
Paet: «Toda evidência mostra que as pessoas que foram mortas por franco-atiradores de ambos os lados, policiais e pessoas nas ruas, que eram os mesmos atiradores matando pessoas de ambos os lados. ... Algumas fotos mostram que é a mesma marca, o mesmo tipo de balas, e isso é realmente preocupante que agora a nova coalizão não quer investigar o que realmente aconteceu. Há agora entendimento cada vez mais forte de que não era Yanukovych que estava atrás dos atiradores, mas alguém da nova coalizão».
Ashton: «Eu acho que queremos investigar. Quero dizer, eu não percebi isso; isso é interessante. Nossa...».
Paet: «Isso já desacredita [sic] essa nova coligação».
Ashton, em sua resposta a Paet, começa a jogar água fria nas informações dele e de Bogomolets de que a oposição estaria por trás dos tiroteios de manifestantes e policiais. Ashton defende os membros da oposição do Rada ucraniano, o Parlamento, contra os «médicos». Ela diz sobre os líderes do protesto: «Quero dizer, eles têm que tomar cuidado, também, mas precisam pressionar por grande mudança, mas eles tem que deixar o Rada funcionar. Se o Rada não funcionar, então você vai ter um caos completo. Então, se voce achou que ser um ativista e um médico era muito importante, mas você não é um político e, de alguma forma, eles têm que chegar a um tipo de acomodação para as próximas semanas».
Essencialmente, Ashton está dizendo a Paet que Bogomolets, em seu papel como ativista da sociedade civil ou médica, não tinha nada que questionar as políticas maquiavélicas da oposição no Rada liderado pela tróica do boxer Vitali Klitschko, do veterano do Banco Mundial Arseniy Yatsenyuk, e do líder do partido neo-nazista Svoboda, Oleh Tyahnybok. Em outras palavras, Ashton sugeriu que um boxeador, um tecnocrata do Banco Mundial e um bandido de rua neo-nazista tinham mais a dizer sobre o futuro da Ucrânia do que uma mulher questionando o papel da oposição por matar a tiros seus próprios manifestantes na linha de frente da batalha de rua, bem como policiais tentando restabelecer a ordem.
Imediatamente, a mídia empresarial ocidental começou a questionar a autenticidade da transcrição da conversa Ashton-Paet, espalhando o rótulo pejorativo habitual de «teoria da conspiração». No entanto, o Ministério dos Negócios Estrangeiros estoniano confirmou que a transcrição era autêntica no seguinte comunicado à imprensa que declarou o seguinte sobre a gravação:
«O telefonema do Ministro dos Negócios Estrangeiros Urmas Paet e a chefe da Política Externa da UE Catherine Ashton, enviado para a Internet, hoje, é autêntico.
A conversa de Paet e Ashton aconteceu em 26 de fevereiro, após a visita do Ministro dos Negócios Estrangeiros da Estônia à Ucrânia, e imediatamente após o final da violência de rua.
O Ministro dos Negócios Estrangeiros Paet comunicou o que ele havia dito nas reuniões realizadas no seu último dia em Kiev e expressou preocupação sobre a situação.
’É extremamente lamentável que tal interceptação esteja ocorrendo,’ disse Paet
».
É claro que, desde o início, os eventos na Ucrânia foram planejados por profissionais provocadores, agitadores e especialistas em «revolução temática» dentro da burocracia do Departamento de Estado dos EUA, da Agência Central de Inteligência, do MI6 britânico e da União Europeia.
A agenda de Ashton complementa a de Nuland cuja conversa telefônica em janeiro com o embaixador dos EUA à Ucrânia, Geoffrey Pyatt, [2] revelou que a administração de Obama estava escolhendo a dedo o futuro governo da Ucrânia, mesmo enquanto Ashton, bem como o co-ideólogo de Nuland, Jeffrey Feltman, Subsecretário Geral da ONU para Assuntos Políticos, estavam fingindo interesse em uma solução negociada com Yanukovych, o presidente democraticamente eleito da Ucrânia. Nuland, que manifestou apoio a Yatsenyuk como futuro líder da Ucrânia, disse «Fôda-se a UE» depois de dizer a Pyatt que os EUA iriam alcançar seus objetivos políticos com o apoio da equipe americana «comprada-e-paga»de Feltman, na ONU; do chefe de Feltman, o Secretário Geral Ban Ki-moon, que ficou conhecido entre os jornalistas sul-coreanos como «enguia escorregadia» quando ele serviu como Ministro dos Negócios Estrangeiros sul-coreano; e do enviado especial da ONU para a Ucrânia, o diplomata holandês Robert Serry. Nuland manifestou grande confiança em Serry, nascido em Calcutá, e ex-embaixador holandês para a Ucrânia com um nome holandês muito incomum. Enquanto servia como Coordenador Especial das Nações Unidas para o Processo de Paz no Oriente Médio, Serry disse que Israel «sofria» preconceito e discriminação na ONU. Tal linguagem de Serry certamente caiu bem para Nuland e Feltman, desde que ambos diplomatas americanos são conhecidos legisladores duplos que colocam os interesses de Israel a par com aqueles dos Estados Unidos.
É claro que os telefonemas de Ashton e Nuland não foram feitos para serem ouvidos pela «grande massa». No entanto, graças à capacidade de interceptação de agentes leais e proficientes da segurança ucraniana, o mundo agora compreende a falsidade de duas mulheres tagarelas que estão ajudando a conduzir a Europa e, possivelmente, o resto do mundo, a uma conflagração maciça...
Tradução
Marisa Choguill
[1] “A propaganda anti-ucraniana e os misteriosos snaipers”, Traduction Alva, Rede Voltaire, 8 de Março de 2014.
[2] «Conversación entre la secretaria de Estado adjunta y el embajador de Estados Unidos en Ucrania », Oriental Review/Red Voltaire , 8 de febrero de 2014.» (In «Red Voltaire»)

Wayne MadsenInvestigative journalist, author and syndicated columnist. His columns have appeared in a wide number of newspapers and journals. Madsen is a regular contributor on Russia Today. He has written The Handbook of Personal Data Protection (London: Macmillan, 1992); Genocide and Covert Operations in Africa 1993-1999(Edwin Mellen Press, 1999);Jaded Tasks: Big Oil, Black Ops & Brass Plates and Overthrow a Fascist Regime on $15 a Dayand co-authored America’s Nightmare: The Presidency of George Bush II (Dandelion, 2003).» (Idem)



Sem comentários:

Enviar um comentário