terça-feira, 14 de janeiro de 2014

A CRIMINALIDADE LEGAL

Não sou adepto de Nietzsche, que odiava as classes trabalhadoras e a democracia, mas na sua obra tem conceitos muito úteis para explicar os tempos que correm. Nietzsche lembra que o certo e o errado, o legal e o ilegal variam, conforme quem tem o poder. Vivemos em 2014 em que uma organização criminosa como o banco norte-americano Goldmann Sachs tem muito poder para praticar os seus crimes. É sempre útil ver o documentário «Inside job» para ver a máfia legal capitalista.



E voltando a Nietzsche, ele fala que existe a moral do escravo, ora é a moral do escravo que explica a capitulação do povo português, grego, italiano, cipriota, irlandês, espanhol e francês.


«A Goldman Sachs e nós



«A Goldman Sachs (GS) aparenta ser um banco, mas o seu currículo mais parece um cadastro, devido às suas ligações com uma interminável série de irregularidades, que vão das bolhas imobiliárias e financeiras, à manipulação de mercados, à corrupção de governos, incluindo a maquilhagem das contas públicas gregas, que inaugurou a atual crise europeia. (...)

A JLA [José Luís Arnaut] não se lhe conhece uma única ideia própria, mas sabe-se que o seu escritório de advocacia tem sido fundamental no "apoio" ao Governo em matéria de privatizações. A GS espreita, ávida, sempre que um país é obrigado a vender os seus anéis. JLA é, portanto, um hábil perito em transformar propriedade pública em salvados. Merecedor da gratidão pública da GS. Milhões de portugueses e europeus labutam, preocupados com o (des)emprego e o desamparo da crise. Lutam por uma democracia que não retire os seus filhos do mapa do futuro. Mas há quem faça carreira e lucro à custa do sofrimento geral.»

Viriato Soromenho Marques


P. S. – Goldman Sachs assume "óptima relação com o Estado" português» (In blog «Entre as brumas da memória»)

«Exercício


Um exercício simples de economia política: leiam as duas notícias e façam as ligações – Goldman Sachs assume “óptima relação com o Estado” português Portugal é o que mais defende a troika entre os resgatados.» (In blog «Ladrões de Bicicletas»)

1 comentário:

  1. Lobbys pró-despesa/endividamento

    Lobbys pró-endividamento é algo que há por aí aos montes: sindicatos, alta finança, etc...
    {Uma nota: um erro numa folha de cálculo - num trabalho [leia-se: um estudo de Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff] que defende a implementação de medidas de austeridade - foi considerado pela comunicação social (nota: é controlada pela superclasse: alta finança - capital global) como um erro gravíssimo de consequências bíblicas.
    Uma errata publicada posteriormente, que corrigiu alguns valores... mas que, todavia, no entanto, manteve a conclusão final intacta... foi... ignorada pela pela comunicação social?!?!?}
    .
    ---» Os políticos e os lobbys pró-despesa/endividamento poderão discutir à vontade a utilização de dinheiros públicos... só que depois... a 'coisa' terá que passar pelo 'crivo' do contribuinte: leia-se, quem paga (vulgo contribuinte) deve possuir o Direito de defender-se!!!
    -> De facto, deve existir o DIREITO AO VETO de quem paga!!! [blog 'fim-da-cidadania-infantil'].
    .
    .
    .
    P.S.
    Um caos organizado por alguns - a superclasse (alta finança - capital global) pretende 'cozinhar' as condições que são do seu interesse:
    - privatização de bens estratégicos: combustíveis... electricidade... água...
    - caos financeiro...
    - implosão de identidades autóctones...
    - forças militares e militarizadas mercenárias...
    - implosão das soberanias...
    resumindo: uma Nova Ordem a seguir ao caos - uma Ordem Mercenária: um Neofeudalismo.

    ResponderEliminar