sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

OS CÃES DE GUARDA DA TROIKA


Andam pelas televisões e pelos outros órgãos de comunicação social tradicionais e pela globosfera os cães de guarda da Troika, a defenderem os interesses da Alemanha contra os interesses de Portugal, a defenderem os interesses da alta burguesia contra os interesses das outras classes sociais.
Vendem mentiras tentando criar ilusões nas classes médias e nas outras abaixo.

«Perder as ilusões
As decisões da UE que concretizam o modelo da tão desejada união bancária constituíram mais um episódio revelador do poder da Alemanha na configuração do nosso futuro. Contra a Comissão Europeia e todos os europeístas que sonham com a federalização passo a passo, mas sem o voto dos cidadãos, a Alemanha não permitiu que os bancos falidos possam ser encerrados sem ter a última palavra. Ou seja, o Conselho Europeu é que decidirá, sem pressas, porque é aí que a Alemanha tem melhores condições para exercer o seu poder. Mais ainda, o fundo destinado a suportar os custos das falências não será financiado por um imposto europeu, o que quer dizer que a união bancária não terá uma natureza federal. Na realidade, o acordo não permite acudir, no imediato e numa escala supranacional, a uma crise bancária importante. Os orçamentos nacionais continuarão obrigados, por muitos anos, a acudir a bancos internacionalizados, uma vez que a Alemanha não quer assumir mais responsabilidades com o dinheiro dos seus contribuintes. Já tem problemas que cheguem com os seus bancos regionais, que, como sempre exigiu, ficam preservados de uma supervisão supranacional.

Assim sendo, quando vemos declarações dos nossos banqueiros, ou do governador do BdP, assegurando que os bancos portugueses estão de boa saúde, temos boas razões para nos preocuparmos. Primeiro, porque se vê que precisam de dizê-lo, o que é um mau sinal. Numa depressão, e esta crise na periferia europeia já é uma depressão, alguns bancos entram forçosamente em insolvência e nem é preciso ser economista para perceber que é assim. Alguma leitura de história económica poderá ajudar quem ainda tenha dúvidas. Por outro lado, basta alguma atenção às notícias sobre a evolução dos resultados das operações internas (internacionalização à parte), ou sobre a contabilidade criativa num grande banco, para se perceber que as declarações dos banqueiros são apenas sintoma do nervosismo de quem sabe mais que nós. A esse nervosismo não será alheia a má consciência de que contam com a socialização dos seus prejuízos para se manterem bem na vida. E esta é outra razão para nos preocuparmos, uma vez que, por decisão da UE, o endividamento público continuará a ser a fonte do financiamento do resgate dos bancos.


O que nos espera em 2014 é a convergência de várias dinâmicas interligadas: o regresso à espiral depressiva, com a aplicação de um Orçamento reciclado para responder às decisões do Tribunal Constitucional; a degradação das contas do sistema bancário e a aproximação de mais resgates; a aceleração dos efeitos bola de neve (juros crescentes) e "denominador" (diminuição do produto), que farão disparar o peso da dívida pública; a desconfiança dos mercados financeiros relativamente à dívida de uma economia deprimida; a continuação da emigração em grande escala; a exasperação de algum protesto social face à inexistência de alternativa política.» (Jorge Bateira, in jornal «i» net)

Sem comentários:

Enviar um comentário