sexta-feira, 15 de novembro de 2013

A HIPOCRISIA DA TROIKA E DOS SEUS LACAIOS

A Troika pertence à alta burguesia e à Alemanha.

A Irlanda impôs o pagamento da dívida a muitíssimo longo prazo, se tal não tivesse feito não se teria libertado da colonização alemã.

A estratégia do governo é clara, sobreviver até ao final de Junho de 2014 para poder proclamar a "libertação" de Portugal. Pouco importa que a austeridade continue a ser imposta ao nosso país ou que nos venhamos a encontrar no final do primeiro semestre de 2014 pior do que estávamos no início do programa de assistência financeira em Junho de 2011. (...) Ninguém acredita nas projecções macroeconómicas, nem no cumprimento das metas orçamentais estabelecidas. (...) É por isso que o governo amplifica alguns sinais positivos e abafa os negativos. (...) Os últimos dados do Eurostat sobre o comércio a retalho na União Europeia mostram-nos que a queda em Portugal foi a segunda maior em termos homólogos (-2,2%) e a maior em cadeia (-6,2%). (...) Também no que ao investimento estrangeiro em Portugal diz respeito as notícias não são nada animadoras. Aliás, pela primeira vez desde o início da série (1995) o investimento estrangeiro líquido será negativo. (...) Estes dados recomendariam prudência e cautela ao governo mas isso pouco importa quando o objectivo é apenas sobreviver politicamente no presente.»

Pedro Nuno Santos, Sinais



«Uma profunda mudança estrutural da economia portuguesa? Devem estar bêbados. O exemplo da Irlanda? O volume das exportações irlandesas cresceu 7,5% - é verdade - nos anos do programa. Teve um superavit nos últimos 4 anos, verdade. Mas, o PIB caiu 8,5%. Eis o sucesso. (...) Não tivessem os celtas imposto a resolução das promissórias a seu contento (transformando-as em dívida de muito longo prazo) e hoje estariam a penar a mendigar um "cautelar" e a levar com mais "condicionalidades" do Óllio de Rhena e do rapaz holandês dos óculos. Não tivessem mantido o truque do IRC e a capacidade reexportadora e de emissão de facturas teria ido ao ar. Foi isso que perceberam os investidores internacionais na dívida (pedem 3,5% para transaccionar os títulos a 10 anos). Sim, sim, foi mesmo por causa das "reformas" da austeridade. Acreditem na Virgem.»
Jorge Nascimento Rodrigues (via facebook)

«Durão Barroso garante que não ameaçou ninguém, limitou-se a informar o TC das "implicações de determinadas decisões" e a dizer que, se as medidas constantes do Orçamento de Estado para 2014 forem chumbadas, terão de ser substituidas por outras, "provavelmente mais gravosas". Como é evidente, não estamos perante uma ameaça, mas apenas perante uma advertência de um Durão Barroso, que (...) nos oferece, generosamente, uma reinterpretação (...) da Constituição da República Portuguesa: a validade das leis em Portugal não depende da sua conformidade com a Constituição, mas da sua conformidade com as conveniências da Troika e do governo português em funções.. (...) A Comissão Europeia de Durão Barroso não se comporta como a guardiã de Tratados que respeitam a igualdade entre Estados e que tem como um dos seus pressupostos constitutivos a existência de um Estado de Direito Democrático em cada um dos seus Estados Membros. Faz, sim, o seu exacto oposto agindo contra (...) o espírito dos tratados e contribuí[n]do para criar uma comunidade de desiguais que é incompatível com qualquer ideia (aceitável) de Europa.»
João GalambaEsta Europa contra nós"     

(In blog «Ladrões de Bicicletas»)

Sem comentários:

Enviar um comentário