terça-feira, 17 de setembro de 2013

ROUBAR PARA DAR AOS LADRÕES DO BPN

por Daniel Oliveira


É norma, no discurso deste governo, substituir um suposto imperativo de necessidade por um suposto imperativo moral. O governo não está a tratar da convergência entre a Caixa Geral de Aposentações (CGA) e o Regime Geral da Segurança Social (RGSS). Essa começou há muito, e não foi pela mão de Pedro Passos Coelho. A convergência da CGA com o RGSS começou em 1993. A partir de Setembro desse ano, os novos subscritores da CGA passaram a ter a sua pensão calculada de acordo com as regras vigentes no RGSS. Continuou em 2005, quando esta regra foi alargada aos funcionários inscritos na CGA antes de Setembro de 1993. E, desde 2006, a CGA deixou de receber receitas das contribuições dos novos trabalhadores que entraram no Estado e que passaram a descontar para a Segurança Social. Ou seja, a CGA está a ser gradualmente extinta. Note-se que a divergência dos dois sistemas, sendo genericamente favorável para o público, não o era em tudo. A contagem dos anos de descontos, por não ter de corresponder totalmente a tempo efetivo de trabalho, era mais favorável no privado, por exemplo.

Esta convergência fez-se da única forma que pode ser feita: mudando as regras de cálculo para quem ainda faz descontos, impedindo a entrada de pessoas novas na CGA e, com isso, determinando uma gradual convergência de sistemas com a qual a generalidade da sociedade portuguesa concorda. Essa convergência não passa, não pode passar, por mudar as regras para quem já recebe pensão, ignorando que foi com base em determinados compromissos que fizeram os seus descontos. E muito menos se faz através de um corte determinado pelas necessidades de poupança e não pela história contributiva dos beneficiários. Isso é apenas criar um imposto disfarçado e dirigido a um grupo profissional especifico.

O que o governo está a fazer não é, portanto, a convergência entre sistemas. E muito menos garantir a sustentabilidade da CGA, que, por ter extinção marcada e não receber novos contribuintes desde 2006, não é, por definição, sustentável. O governo está apenas a ir buscar dinheiro a quem tem menos capacidade para se defender. Os aposentados são, por lhes estar vedado o direito à greve e terem menos instrumentos de mobilização e defesa, presa fácil. Esta redução de 10% é, por isso, um ato de cobardia. Querer trasvestir este assalto com as vestes da justiça e da equidade é juntar à cobardia cinismo.» (In blog «Arrastão»)

Sem comentários:

Enviar um comentário