sexta-feira, 2 de agosto de 2013

O MASSACRE DETERMINISTA FATALISTA


O massacre determinista fatalista da Direita portuguesa, nos órgãos de comunicação social tradicionais, tem dado resultado.
Esta semana a RTP divulgou uma sondagem segundo a qual dois terços dos portugueses acham que este governo PSD-CDS-Troika-Cavaco tem governado mal ou muito mal. Depois dois terços dos portugueses, na mesma sondagem, disseram que outro governo também governaria mal ou muito mal. Isto significa que os portugueses já desconhecem o significado da palavra esperança, perderam a esperança. Massacrados pela espiral recessiva, com as falências muito elevadas de empresas, com o aumento colossal do desemprego, com cortes inconstitucionais nas reformas dos funcionários públicos e do sector privado, que em 2012 ultrapassaram dois salários, com cortes de dois salários nos funcionários públicos e nos assalariados das empresas estatais também em 2012 e com a consequente baixa dos salários no sector privado, que tem como referência o sector público, os portugueses perderam a auto-estima.
A UGT (a central sindical dos patrões) assinou o despedimento sem justa causa.
Os funcionários públicos ficaram sem dois salários (= baixa salarial de 14,5%) «por terem um emprego seguro e não poderem ser despedidos», mas vão, no entanto, ser despedidos em massa.
Os contratos precários vão durar mais 12 meses, com o apoio da UGT, que assim assume que apoia a precaridade laboral e a consequente baixa salarial. Alega a UGT que mais vale ter um emprego precário que nenhum. Com este argumento pode a UGT apoiar a diminuição do salário mínimo para metade ou o regresso à escravatura, porque mais vale ser escravo do que morrer.
Outra diminuição salarial na função pública é o aumento do horário de trabalho com o mesmo salário.
Por outro lado Passos Coelho mente sempre, a ministra das Finanças também, um secretário de Estado actual tentou vender ao governo de José Sócrates produtos financeiros tóxicos (Joaquim Pais Jorge, actual secretário de Estado do Tesouro, tentou vender ao governo de José Sócrates, em nome do «Citigroup», contratos swaps, com o objectivo, entre outros, de aldrabar as contas do Estado).
Os comentadores da Direita massacram as pessoas com determinismos – Medina Carreira faz lembrar o Salazar depois de ter caído duma cadeira e a Máfia intelectual do Pingo Doce, liderada por António Barreto faz lembrar a Máfia da Sicília. A boçalidade de uma mulher da alta burguesia revelada num semanário de propaganda da Direita há 40 anos, mostra que na alta burguesia temos pessoas intelectualmente indigentes, cruéis e hipócritas.

Assim, dois terços dos portugueses parece que se convenceram que pertencem a uma raça inferior, que merecem um governo mau ou muito mau, que os faz empobrecer e sofrer!!!!!!!

Sem comentários:

Enviar um comentário