terça-feira, 11 de junho de 2013

O «FIM DA HISTÓRIA» E O FIM DO MUNDO


«Juncker afirma que "todos cometeram" erros com a Grécia»

«O primeiro-ministro luxemburguês, Jean-Claude Juncker, afirmou hoje em Atenas que "todos cometeram" erros e foram demasiado otimistas ao acreditar que a Grécia poderia voltar rapidamente ao crescimento económico.
O ex-chefe do Eurogrupo fez estas declarações durante uma conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, na qual o ex-líder luxemburguês felicitou os progressos alcançados pela Grécia no caminho das reformas.

"Há um ano falávamos abertamente da saída da Grécia do euro. Hoje, em contrapartida, já ninguém fala do 'grexit'", afirmou Juncker, que no entanto reconheceu que na hora de avaliar as capacidades de recuperação do país houve demasiado "otimismo".

"Todos os que nos envolvemos na Grécia cometemos erros", disse Juncker, aludindo ao debate aberto entre o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Comissão Europeia (CE) sobre esta questão.

Enquanto o FMI sustentou que houve erros quando se previu o impacto das medidas de ajustamento na economia real e se atrasou demasiado a reestruturação da dívida soberana grega, a CE rejeitou quaisquer críticas.» (In «NOTÍCIAS AO MINUTO» net)

Uma das características dos «média» ocidentais é sugerirem que chegámos ao «fim da História», dando a ideia de que a evolução da Humanidade chegou ao fim. Se daqui por 500 anos a Humanidade existir e se tiver evoluído para melhor, terá uma ideia muito negativa sobre a crise da Zona Euro.

Essa ideia de que houve erros na «ajuda» a destruir a Grécia é hipocrisia. Nunca houve intenção de ajudar a Grécia, houve sim intenção de punir a Grécia. Por outro lado, a arquitectura legislativa da moeda euro e do falso «Banco Central Europeu» é uma verdadeira aberração. O fulcro do problema está nas leis erradas da moeda euro e do chamado «BCE».

Sem comentários:

Enviar um comentário