sábado, 4 de maio de 2013

OS COVEIROS DE PORTUGAL


Passos Coelho, Vítor Gaspar, Cavaco Silva e Paulo Portas são os coveiros de Portugal.


«Cavaco Silva, Passos Coelho e Vítor Gaspar são três loucos, incompetentes, alucinados e irresponsáveis, que descolaram da realidade ou que dela fogem como o diabo da cruz. Só isso pode explicar a corrida acelerada para o abismo em que nos arrastam, sem que vislumbremos como deles nos poderemos livrar tão cedo, manietados que estamos por poderes externos, mecanismos internos e pelo nosso atávico e paralisante fatalismo e mansidão colectivos, que só pontualmente são quebrados em momentos históricos especiais e relativamente fugazes.» (Joana Lopes, in blog «Entre as brumas da memória»)



«Passos Coelho anunciou: Mais desempregados para ajudar à crise, um imposto escondido sobre os reformados, um aumento da idade de reforma que aumentará o desemprego jovem. Nenhuma medida que afecte as verdadeiras sanguessugas do Estado (a negociação das PPP é uma anedota, as rendas da energia continuam intocadas, os benefícios fiscais de grandes empresas e banca mantêm-se). (…) De resto, o governo finge que reforma o Estado quando apenas corta, cobra, retira rendimentos às famílias e acrescenta crise à crise.» (In blog «Arrastão»)

Uma jornalista pró-Passos Coelho inventou uma nova palavra sem significado nenhum. Sobre o novo imposto só sobre os reformados disse que não era um imposto, mas um «semi-imposto».
Ora «semi-imposto» é algo que não existe, é uma palavra para designar, de facto, um imposto.
Passos Coelho mentiu mais uma vez.
Esse imposto só sobre os reformados é ilegal, porque não é universal, viola o princípio da igualdade. Para rendimentos iguais impostos iguais. O imposto sobre os reformados é um imposto racista, é um imposto discriminatório, porque atinge um determinado grupo apenas. Podia, por exemplo, lançar um imposto só sobre os negros, que violava da mesma maneira que o imposto só sobre os reformados viola o princípio da igualdade.
Afinal, Paulo Portas consentiu o aumento de impostos.

Sem comentários:

Enviar um comentário