sexta-feira, 17 de maio de 2013

CRÍTICA À CRÍTICA


Por que a alta burguesia, sendo uma pequena minoria, domina o Mundo?
Porque domina os meios de construção das estruturas do pensamento.
Uma das pessoas mais falsas das televisões é Clara Ferreira Alves de «O Eixo do Mal», com ligações factuais aos neoconservadores norte-americanos. Esta aldrabona em «O Eixo do Mal» é quem mais defende e melhor defende Passos Coelho e Vítor Gaspar, porque os portugueses são os culpados da crise em Portugal (da crise da Zona Euro e especialmente da recessão em França digo eu), e António José Seguro, a única alternativa à demência de Passos Coelho e Vítor Gaspar, «não presta» segundo a Clara Ferreira Alves.




«Quando o cinema político era verdadeiramente activista - já lá vão uns 40 anos - Costa-Gavras era um dos mestres aclamados do género, e a dúvida é saber se hoje ele não é como o tio idealista que ainda acredita na solidariedade entre os homens e dá cabo dos almoços de família onde está presente o sobrinho capitalista (lugar comum que aparece, evidentemente, a dada altura em O Capital).

Paraíso a Oeste, o seu filme anterior, dava a entender que sim, mas O Capital reinstala a dúvida: é um thriller previsível mas bem gerido, que navega de modo algo calculista a onda da indignação mundial com o sistema bancário (pintado como um enorme e impiedoso mecanismo que já parece funcionar em moto contínuo).

Adaptado de um romance satírico de Stéphane Osmont, é a história de um jovem e ambicioso executivo (Gad Elmaleh, tão neutro que quase não existe, a substituir Mathieu Kassovitz) que se vê promovido a presidente de um banco em dificuldades e que percebe que tudo não passa de um jogo cínico onde quem mexe os cordelinhos quer que ele seja um mero peão. Há, é evidente, qualquer coisa de falsamente moralista em encher o olho do espectador com o luxo dos milionários enquanto se denuncia o seu comportamento pouco ético, e não sairemos de O Capital a saber algo que já não soubéssemos; mas mesmo um lugar-comum pode resultar quando apresentado com alguma convicção, e é o caso.»

Esta crítica ao excelente filme de Costa Gravas «O Capital», de Jorge Mourinha é uma crítica, perversa, que em última análise, defende a alta burguesia e os seus mecanismos de dominação do Mundo.
Jorge Mourinha pode pôr na lapela o emblema da ideologia que quiser, do PCP, do Bloco de Esquerda, do PS, mas Jorge Mourinha, através desta crítica, está a fazer o trabalho de defesa dos interesses da alta burguesia.

Sem comentários:

Enviar um comentário