sexta-feira, 31 de maio de 2013

A INQUISIÇÃO CATÓLICA NA AMÉRICA LATINA


Há países que incorporaram na sua legislação os princípios monstruosos da Inquisição Católica.

A Inquisição Católica é um aborto, é uma aberração, no século XXI. A Igreja Católica é dirigida por monstros, por homens com uma moral igual à de Auschwitz, duma crueldade absoluta, de uma desumanidade absoluta. A Igreja Católica, chega ao ponto de «proibir» o uso de preservativos, sendo responsável pela morte lenta de muitos homens e mulheres em África, com SIDA, que foram aconselhados a não usarem preservativo. A igreja Católica é dirigida por monstros que dizem obedecer a um Deus, que simplesmente não existe. Para muitas pessoas o Deus dos católicos é tão verdadeiro como o Apolo da mitologia greco-romana.
A Inquisição Católica,  está em vigor na Irlanda e na América Latina e produz crimes legais monstruosos, como o narrado a seguir.

«Uma jovem salvadorenha doente de lúpus e grávida de um feto sem cérebro foi proibida pela justiça de El Salvador de interromper a gravidez por motivos terapêuticos, assegurou na quinta-feira que os médicos lhe farão uma cesariana.

"Sinto-bem bem porque eles a vão fazer. Os médicos disseram-me que me fazem uma cesariana na próxima semana", contou à AFP, por telefone, a jovem de 22 anos internada num hospital de San Salvador. A operação acontecerá às 26 semanas de gestação.
A ministra da saúde, Maria Isabel Rodriguez, remeteu todas as explicações para corpo clínico que acompanha o caso de "Beatriz" (nome fictício pelo qual a jovem é conhecida). "É claro que a decisão de agir num momento dado está nas mãos de médicos de alto nível", disse, em conferência de imprensa.
"A interrupção da gravidez já não é um aborto, é um parto provocado, o que é diferente", acrescentou a ministra, sublinhando que se trata, finalmente, de uma "decisão pessoal" da mãe.


O caso, porém, é mais do que isso. Ganhou visibilidade na opinião público e contornos políticos, e chegou ao Tribunal Constitucional. Na quarta-feira, a máxima instituição da justiça de El Salvador decidiu que "os direitos da mãe não podem prevalecer sobre os dos indivíduo que vai nascer, e vice-versa", considerou o coletivo de juízes, lembrando que o aborto é interdito por lei neste país da América Central.» (In «DN« net)


Sem comentários:

Enviar um comentário