sexta-feira, 22 de março de 2013

A UNIÃO EUROPEIA ACABOU E TRANSFORMOU-SE NUM IMPÉRIO SEMELHANTE AO IMPÉRIO AUSTRO-HÚNGARO


A questão da ilha de Chipre representou o fim, de facto, da União Europeia, que se transformou no IV Reich Alemão. A União Europeia é, de facto, um império muito diferente do II Reich Alemão, é semelhante ao Império Austro-Húngaro, que tal como a UE hoje, estava cheio de diversidades étnicas e linguísticas, mas quem mandava no Império Austro-Húngaro eram os austríacos. Os outros povos limitavam-se a obedecer, mais ou menos contrariados.



Como foi possível?
A Alemanha perdeu duas guerras mundiais e nos finais do século XX e nos começos do século XXI tentou apoderar-se da União Europeia. Começou por provocar a Guerra da Jugoslávia, que foi iniciada pela Croácia. Ora, a Croácia não tinha exército como poderia começar uma guerra? Foi instigada pela Alemanha que lhe forneceu um exército, que incluía tanques a artilharia pesada, de graça. O fanatismo anti-comunista dos Estados Unidos permitiu esta guerra. Os Estados Unidos não perceberam que a Jugoslávia se podia desintegrar pela via diplomática, sem ser disparado um único tiro, como aconteceu com a Checoslováquia.
O objectivo da Alemanha era vingar a derrota na II Guerra Mundial, em que a Croácia participou do lado da Alemanha. E por outro lado a Alemanha queria aproveitar a diversidade étnica da Jugoslávia para estimular a ascensão de um racismo selvagem entre brancos, semelhante ao que existiu na Alemanha durante o III Reich. Assim os alemães mostravam ao Mundo que não eram os únicos selvagens que existiam na Europa. Auschwitz é o melhor símbolo da selvajaria dos alemães.
A Alemanha começou a ver que podia dominar a União Europeia se a Zona Euro tivesse uma arquitectura legislativa errada. Ângela Merkel tornou Sarkozy no segundo Pétain. François Hollande começou por dizer que não se submeteria à ditadura da Alemanha, mas traiu aqueles e aquelas que o elegeram. François Hollande assinou o chamado pacto orçamental imposto por Berlim, tornando-se assim igual a Sarkozy, um novo Pétain.
A Alemanha arranjou países satélites, além da Croácia, a Holanda, a Áustria e a Finlândia.
Na reunião em que Chipre foi tratado como uma colónia mediterrânica da Alemanha o ministro de François Hollande votou a favor da ditadura imposta pela Alemanha a Chipre e rejeitada pelo Parlamento de Chipre. A ditadura alemã, que teve o acordo de todos os governos da Zona Euro (incluindo, obviamente, o da França de François Hollande), sobre Chipre implicaria a destruição completa da economia de Chipre.
Se Berlim dá as ordens na União Europeia, na prática, e a União Europeia obedece (e obedece mesmo), exerce um poder imperial.
A União Europeia em que os países membros se ajudavam uns aos outros já acabou, de facto. Na actual falsa União Europeia há, na prática, um poder imperial da Alemanha que tem por objectivo arruinar a economia dos países, que se vão colocando a jeito, como a Grécia, a Irlanda, Portugal, a Espanha, a Itália e agora Chipre.
Tudo isto vai acabar mal, para Chipre, para Portugal, para a Irlanda, para a Espanha, para a Itália e depois também para a França de François Hollande e, finalmente, também vai acabar mal para a Alemanha e para os países seus satélites.

Sem comentários:

Enviar um comentário