sábado, 19 de janeiro de 2013

OS EQUÍVOCOS DE UM EQUÍVOCO – O FALSO «BANCO CENTRAL EUROPEU» E A «INTERNACIONAL SOCIALISTA» E O «PARTIDO POPULAR EUROPEU»


Nos órgãos de comunicação social portugueses tradicionais, especialmente nas televisões, é aceite como uma coisa boa o facto de a moeda euro não ter Banco Central.
Na chamada blogosfera pt os blogs próximos ou representantes da «Internacional Socialista» e do chamado «Partido Popular Europeu», também acham bem a ausência de Banco Central para a moeda euro.
Quando o obscuro ex-quadro do banco «Goldman Sachs» Mário Draghi, pressionado pela Ângela Merkel que não quer ver, pelo menos para já, a Zona Euro implodir, toma algumas medidas no falso «Banco Central Europeu» características parciais de um Banco Central verdadeiro, aí vem elogios ao crime parcial. Alguns escrevem o primeiro nome dele em italiano, em sinal de respeitosa reverência.

«Mario Draghi comprometeu-se em meados do ano passado a tudo fazer para defender o euro, admitindo que, se necessário fosse, o BCE faria compras sem limites de dívida pública. Por outras palavras, Draghi assumiu, perante os mercados, que o BCE se posicionaria como “credor de último recurso” em relação à dívida pública dos membros da zona euro, à semelhança do que ocorre com outros bancos centrais, como a Reserva Federal norte-americana, o Banco de Inglaterra ou o Banco do Japão.

Naturalmente, essa alteração de política do BCE fez com que os mercados recuperassem a tranquilidade, com os resultados que estão à vista.» (in blog «Câmara Corporativa».)

Depois desta respeitosa reverência submissa esquecem-se, que em condições normais, o falso «Banco Central Europeu» está proibido de emprestar dinheiro directamente aos Estados e que está obrigado a emprestar dinheiro directamente à alta burguesia financeira dos bancos privados, que fazem uma intermediação parasitária e altamente desonesta. Assim, o falso «Banco Central Europeu» emprestou dinheiro a 1% aos bancos privados, por obrigação legal, para estes emprestarem esse mesmo dinheiro a 7% de juros ao Estado da Itália!!!
Não foi só a captura do falso «Banco Central Europeu» pela alta burguesia que colocou parte da Zona Euro à beira do precipício. Foi também a captura pela alta burguesia da «Internacional Socialista», que deu origem a esta aberração que é o falso «BCE» estar proibido, em condições normais, de emprestar dinheiro directamente aos Estados da moeda euro e ser obrigado a emprestar dinheiro aos bancos privados a 1% ou a 0,75% de juros para estes emprestarem esse mesmo dinheiro aos Estados a 7, 8, e 9 % de juros ou mais.
E depois esquecem que o falso «BCE» nos casos de «resgates» em vez de ajudar os países «resgatados» faz negócio com os «resgates», cobrando juros usurários, quando se fosse um Banco Central verdadeiro emprestaria o dinheiro a 0% de juros.

Sem comentários:

Enviar um comentário