sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

O COLONIALISMO INGLÊS


A mais óbvia conquista colonial inglesa é a de Gibraltar.
A Espanha, porém, não tem autoridade moral para reivindicar a devolução de Gibraltar. O caso mais indefensável do colonialismo espanhol é o caso de Ceuta. A cidade de Ceuta foi conquistada em 1415, por Portugal, no reinado de D. João I. Em 1640 Ceuta era dirigida por traidores (tipo Passos Coelho, Vítor Gaspar, Dr. Miguel Relvas e Paulo Portas) e esses traidores entregaram Ceuta aos espanhóis. Ora, se Ceuta tivesse ficado sob domínio português já tinha sido entregue a Marrocos, de modo semelhante como Macau foi entregue à China.
Depois de terem ocupado pela força as ilhas Malvinas os ingleses vem agora sugerir que a devolução das Malvinas à Argentina não tem em conta a opinião dos colonos que lá puseram, pela força das armas.
Os ingleses ganharam a última Guerra das Malvinas devido à alta incompetência dos pilotos da Força Aérea da Argentina.

Os vigaristas do cinema no filme sobre Margaret Thatcher 'esqueceram-se' do facto político mais importante para mostrar o carácter  desta mulher, a selvajaria desta mulher, que foi o facto de ela ter dado ordem aos militares ingleses para bombardearem a Argentina com bombas atómicas, caso estivessem na iminência de perderem a Guerra das Malvinas.
A Argentina volta a colocar o caso na ordem do dia.

«A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, publicou, hoje, na imprensa britânica uma carta aberta ao primeiro-ministro britânico, David Cameron, na qual pede para "cumprir as resoluções da ONU" sobre as Malvinas reivindicadas pelo seu país.

A publicação desta carta, datada de 3 de janeiro, coincide com o 180º aniversário da colonização britânica das ilhas Malvinas, situadas a "14 mil quilómetros de Londres" na sequência de "uma manifestação descarada de colonialismo", escreveu Cristina Kirchner.
"Desde aquela época que o Reino Unido, grande potência colonial, se recusa entregar o território à República da Argentina, impedindo a restauração da sua integridade territorial", acrescenta a carta publicada em dois jornais: The Guardian e The Independent. Uma cópia foi enviada ao Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon.
Em 1965, a Assembleia Geral da ONU adotou uma resolução que instava os dois países a encontrar uma solução diplomática para a disputa de soberania. "Esta foi seguida de muitas outras resoluções", escreve Cristina Kirchner, convidando novamente o Reino Unido a "respeitar" a Argentina.
Na mensagem de Natal que Cameron enviou aos habitantes das Malvinas acusou a Argentina de querer negar-lhes os direito à "auto-determinação".» (In «DN» net)

Sem comentários:

Enviar um comentário