sábado, 1 de dezembro de 2012

CONGRESSO DO PCP


Está a decorrer em Almada o Congresso 2012 do Partido Comunista Português. Para já de salientar uma intervenção a defender a saída de Portugal da moeda euro, com o consequente regresso ao escudo. No entanto, este ponto de vista não teve a aprovação da maioria dos congressistas partidários. O PCP continua a defender a continuação de Portugal na Zona Euro.
De positivo, parece-me de salientar a ideia de procurar entendimentos com o Bloco de Esquerda.
Por outro lado salienta a política direitista do PS, que é factual, que inviabiliza um acordo de governo PCP-PS.
Em termos sociais desde 25 de Abril de 1974 o PS decidiu defender o domínio social da alta burguesia, a todo o custo, o PS mostrou-se disposto a dar a vida dos seus elementos pela alta burguesia, classe que venera, de joelhos, desde a sua fundação, na Alemanha, patrocinado pelo SPD.
Mas, parece-me que um partido que tem as suas raízes nas ideias de Marx, de Engels e de Lenine precisa de fazer uma revisão das obras de Marx, de Engels e de Lenine e de se distanciar bem das experiências europeias e outras, baseadas em Marx, Engels e Lenine.
E sobretudo distanciar-se do regime fundado por Lenine na Rússia. Esse regime de, efectivamente, positivo para a Rússia, para a Europa e para a Humanidade, o que fez foi a contribuição decisiva para a rendição incondicional do III Reich da Alemanha e impor o recuo da fronteira leste da Alemanha de mil anos, para o século X, para a linha dos rios Óder e Neisse, a chamada linha Óder-Neisse. A Alemanha perdeu assim um território bem maior do que Portugal. Parte desse território foi dado à Polónia, a quem foi retirado território equivalente, na parte leste, que foi dado à Bielorrússia.


Este mapa mostra a Alemanha em 1943 (III Reich em 1943) e a azul a linha Óder-Neisse, para onde recuou a fronteira da Alemanha por imposição da Rússia Soviética (sem oposição dos Estados Unidos nem do Reino Unido).
Sem uma clara revisão das obras de Marx, Engels e Lenine, adaptando-as à Democracia, os partidos comunistas não conseguem convencer os eleitores. Os eleitores do século XXI não querem nenhum tipo de Ditadura, seja ela qual for.

Sem comentários:

Enviar um comentário