sábado, 22 de setembro de 2012

UMA MULHER COMPROVADAMENTE CORRUPTA PARA PROCURADORA-GERAL DA REPÚBLICA?!!


Cândida Almeida disse que os políticos portugueses «não eram corruptos», quer isto dizer, que com ela a PGR os políticos podem roubar à vontade. Só uma mulher corrupta pode afirmar o contrário óbvio da realidade real. Anda alinhada com o Passos Coelho, para ver se ele e o Cavaco lhe arranjam o tacho de PGR. Publicamente entrou em actividades partidárias do PSD, enquanto a escritora Maria Teresa Horta recusou receber um prémio literário das mãos de Passos Coelho, por o considerar um homem sem dignidade que está a arruinar a maioria dos portugueses.
Chama-se a isto o afogamento ético e moral do regime.
Sendo Portugal um dos países mais corruptos do Mundo, onde indivíduos como o António Borges, o Eduardo Catroga, além de serem corruptos também parecem corruptos, onde presidentes de câmaras, deputados e ministros enriquecem de modo criminoso, e onde uma lei como a da Irlanda que permite ao Estado exigir aos endinheirados que justifiquem o modo como ganharam o dinheiro é impensável, porque quase todos os políticos iam presos, Dias Loureiro, outros amigos do Cavaco, o homem dos submarinos alemães, etc. etc….
«O nome da procuradora-geral adjunta Cândida Almeida deverá ser o escolhido para substituir o Procurador-Geral da República, Fernando Pinto Monteiro, que termina o seu mandato a 12 de Outubro por ter já atingido a idade limite para o cargo.
Segundo fontes judiciais, o nome da actual directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP) parece ser o mais consensual entre o Governo e a Presidência da República, se bem que em Belém terá encontrado algumas reticências.
A VISÃO sabe que nos últimos meses foi possível à "candidatura" de Cândida Almeida, tida nos meios judiciais como uma figura próxima do PS, reunir também apoios nas áreas do PSD e do CDS. Refira-se, por exemplo, a sua recente participação na Universidade de Verão dos sociais-democratas.
As discussões entre Belém e a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, em torno da substituição de Pinto Monteiro, que completou 70 anos em Abril, estarão já numa fase avançada já que a nomeação de um novo titular do cargo terá de ocorrer antes da saída de Pinto Monteiro.
Cândida Almeida, de 63 anos, que foi a primeira mulher magistrada em Portugal, é a procuradora mais antiga do Ministério Público.
Natural do Porto e formada em Coimbra, a procuradora celebrizou-se encabeçar a acusação no caso FP-25.
Em Março de 2001 assumiu a direcção do DCIAP e pelas suas mãos passaram alguns dos processos mais mediáticos da justiça portuguesa da última década, como e Freeport, o Portucale e os submarinos. A morosidade desses processos e a incapacidade do MP produzir provas cabais beliscaram a imagem da procuradora nos meios judiciais.» (In revista «Visão» net)

Sem comentários:

Enviar um comentário