quarta-feira, 12 de setembro de 2012

É PRECISO FAZER CAIR O GOVERNO DE PORTUGAL, O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL


Até o Medina Carreira disse que Portugal ficou numa situação tão desastrosa, depois de anunciadas as novas medidas recessivas por Passos Coelho e por Vítor Gaspar, como se tivesse entrado numa guerra.
Não podemos esquecer que este governo diz que não tem dinheiro, mas vai dar 2 mil e 300 milhões de euros aos capitalistas.
As taxas que anunciaram sobre os ricos são residuais, são para enganar as pessoas.
Portugal tem que fazer cair este governo, o mais depressa possível. De maneira nenhuma, este governo não poderá lá estar, no poleiro, até ao fim dos 4 anos da legislatura.

O sindicalista traidor João Proença da UGT diz que é preciso manter o diálogo com o governo PSD-CDS. Além de traidor, João Proença não percebeu ainda que ninguém do poder dialoga com ele, nem a troika nem o governo PSD-CDS dialogam com ele, obrigam-no sim a assinar estes assassinatos pelas costas de muitos trabalhadores.
João Proença aberração das aberrações assinou o despedimento sem justa causa.
O despedimento sem justa causa equivale à derrota numa guerra. Cria-se uma insegurança tal nos homens e nas mulheres que leva a uma redução drástica da natalidade e, consequentemente, à diminuição da população. O despedimento sem justa causa significa que o futuro acabou, que não há futuro, e muitos homens e mulheres não querem trazer para este país crianças sem qualquer futuro.
Portugal está numa situação de catástrofe, como se tivesse perdido uma guerra. Mas foi uma guerra social dos capitalistas contra as outras classes sociais e para já as classes não-milionárias capitularam sem condições. Esta devastação de Portugal está a ser realizada pela alta burguesia e pelos seus lacaios do governo PSD-CDS. E, é claro, com a aprovação do hipócrita Cavaco Silva.


Os desastrosos negócios das PPP (Parcerias Público Privadas) estão a dar pesados prejuízos ao Estado português. Nas PPP o Estado está a pagar rendimentos ilegítimos aos privados, mas não mexe nesses negócios ruinosos, porque os tais privados são amigalhaços dos governantes. Há grandes empresas com lucros ilegítimos, porque têm uma posição mais ou menos monopolista e oneram toda a economia, como é o caso da EDP. No entanto este governo PSD-CDS não impõe a redução desses lucros exorbitantes.
O Estado não tem dinheiro, mas está a dar, sim a dar dinheiro, a estabelecimentos de ensino privados. Ora se são privados devem ser auto-suficientes, sem receberem nenhum dinheiro do Estado.

1 comentário:

  1. Sindicato afecto ao partido pseudo-socialista, nunca se poderia esperar grande coisa. Mas quando um lider sindical assina pelos despedimentos sem justa causa, é caso para perguntar para que serve então, esta central sindical?

    ResponderEliminar