terça-feira, 31 de julho de 2012

YE SHIWEN A SUPER ATLETA CHINESA QUE DEIXOU O MUNDO ESTUPEFACTO - CONSIDERAÇÕES MAIS OU MENOS A PROPÓSITO

   «A nadadora chinesa Ye Shiwen quebrou o recorde 
mundial e conquistou a medalha de ouro nos 400m medley
feminino nas Olimpíadas de Londres 2012 no sábado.
  Ye levou 4m28'43 para completar a prova e quebrou por
um segundo o recorde anterior conquistado pela tripla
campeã dos Jogos Olímpicos, a australiana Stephanie Rice 
em Beijing 2008.
  Ye superou em três segundos a medalhista de prata
Elizabeth Beisel dos Estados Unidos que concluiu a prova
em 4m31'27. A outra nadadora chinesa Li Xuanxu 
conquistou a medalha de bronze com 4m32'91.
  Rice, medalhista de ouro por três vezes nas Olimpíadas
em Beijing 2008, ocupou a 6ª posição.
  "Eu me concentrei no nado borboleta e costas desde o
Campeonato Mundial,pois o nado livre é a minha melhor
arma. Dizendo isso, nunca esperei quebrar o 
recorde mundial. Sonhei com a metalha de ouro, mas nunca
com o recorde mundial.
    Estou surpresa," disse Ye com lágrimas no rosto.
  Ye, campeã mundial dos 200m medley feminino no
Campeonato Mundial de Shanghai, tornou-se foco de todo
o mundo após sua noite dourada no Centro Aquático de
Londres. Esta é a primeira quebra de recorde mundial 
na natação nas Olimpíadasde Londres.» (In «CR online»)


As televisões e jornais ocidentais apressaram-se a dizer
que há suspeitas de doping.
Eu não sei, mas penso que há muitíssimo mais suspeitas
de doping sobre o nadador norte-americano Michael Phelps,
é o recordista de medalhas de ouro em uma edição 
de Jogos Olímpicos.
«Além de ter chegado oito vezes ao lugar mais alto do
pódio em Pequim 2008, o nadador norte-americano
conquistou seis primeiros lugares em Atenas 2004.» 


Pessoalmente, não sei se houve ou não doping nestes dois atletas.
Partilho a «dúvida metódica» do filósofo francês do século XVII, Descartes (1596 – 1650), conceito que é um dos pilares do pensamento da chamada Civilização Ocidental.


Fui e sou muito influenciada pela obra de Descartes «Discurso do Método» (1637).
Aqui na Internet, parece-me muito importante a definição das ideologias, porque os primeiros a dizer que não têm ideologia são os da Direita.
Em Portugal o vigarista, ignorante e estúpido ministro das Finanças Gasparinho diz que a troika não tem ideologia, mas a troika tem uma ideologia neoliberal, que defende os interesses da alta burguesia, tal como o Gasparinho. Este indivíduo lançou um imposto de 100% sobre os subsídios de férias e de Natal dos funcionários públicos (não todos), de algumas empresas estatais e sobre os reformados (aqui tanto do sector público como do sector privado). É um imposto racista, é sobre os “pretos” da função pública e de algumas empresas estatais, e sobre os reformados que foram considerados todos “pretos”. Este racismo é desonesto, imoral e inconstitucional. Mas, o Gasparinho para a alta burguesia é o melhor ministro das Finanças dos últimos tempos, entenda-se melhor a favorecer a alta burguesia.


Em Portugal o «Bloco de Esquerda» não tem ideologia oficial, pelo que tanto está do lado da Esquerda, como está do lado da CIA na questão da invasão da Síria pelos Contras, como tomou uma atitude gravemente racista e colonialista ao recusar-se a cumprimentar o Presidente da República da Angola negro e inteligente, assumindo-se aqui como o representante do salazarismo.


É importante que eu explique a minha ideologia de livre-pensador de Esquerda. Fui obrigado, pelos meus pais, enquanto criança, a ser doutrinado no catecismo católico, e depois de ler Descartes, na adolescência, e sobretudo «Porque Não Sou Cristão» do filósofo britânico Bertrand Russell (prémio Nobel da Literatura em 1950) deixei de ter religião.
Sou a favor da liberdade religiosa e respeito as religiões, mas acho que pertencem ao domínio da subjectividade.
Li Marx, Engels e Lenine. Também li muitos dos iluministas europeus do século XVIII, e leio ainda do pensamento iluminista europeu do século XVIII a obra de Jean-Jacques Rousseau «Contrato Social», uma edição de São Paulo no Brasil, mas comprada em Portugal.
Li as análises de Lenine à Revolução Francesa de 1789, que durou 10 anos, e no curto prazo foi uma revolução falhada. Lenine mostrou-se um grande admirador da Revolução Francesa de 1789, mas que considerava incompleta.
O pensamento iluminista europeu do século XVIII é muito diversificado, estando grande parte dele disperso por artigos da (primeira) «Enciclopédia», pelo que recorro muito ao «Contrato Social» de Jean-Jacques Rousseau que sintetiza os principais aspectos políticos do iluminismo e do conceito Direitos Humanos. Jean-Jacques Rousseau defendeu a República contra a Monarquia, o voto livre universal (masculino), a liberdade de expressão de pensamento, e definiu alguns aspectos fundamentais do conceito Direitos Humanos, ao condenar total e absolutamente a escravatura, isto em pleno século XVIII, quando a escravatura só acabou nos finais do século XIX.
Jean-Jacques Rousseau foi um entre muitos iluministas que tinham as ideias que ele expôs no «Contrato Social», mas por ser um livro denso e de síntese foi considerado «a Bíblia da Revolução Francesa de 1789», ou por outras palavras a síntese do pensamento político iluminista europeu do século XVIII, que foi a ideologia da Revolução Francesa de 1789, que foi fundadora da Democracia Contemporânea, de que sou adepto, em oposição à Democracia grega esclavagista  e ao Parlamentarismo da Inglaterra também esclavagista e ainda em oposição ao iluminismo deturpado da fundação dos Estados Unidos, deturpado numa questão fulcral porque o iluminismo norte-americano importado da Europa também era esclavagista.
Os historiadores europeus mais consagrados consideram que o acontecimento mais importante de 1789 a 2012 na História da Humanidade foi a Revolução Francesa de 1789, pelo que inaugurou uma nova Idade ou Era na qual ainda estamos que é a Idade Contemporânea.
Adam Smith foi bom na sua época, já não é no século XXI.
Karl Marx fez a melhor crítica de sempre ao sistema capitalista, mas a alternativa que propôs, foi aplicada na Rússia Soviética e não resistiu ao teste da prática.
Lenine dizia que a Revolução francesa de 1789 tinha dois objectivos fulcrais que eram a Liberdade e a Igualdade, oficialmente eram três: Liberdade, Igualdade, Fraternidade.
Ora, para Lenine a Revolução Francesa de 1789 falhou totalmente no objectivo Igualdade.
Para Marx e para Lenine a Igualdade era mais importante que a Liberdade, e a Fraternidade só era possível depois da Igualdade.
Pessoalmente, acho que a Liberdade é tão importante como a Igualdade. O futuro mão se consegue adivinhar.

Sem comentários:

Enviar um comentário