sexta-feira, 20 de julho de 2012

A SÍRIA FOI INVADIDA POR UM EXÉRCITO DE TERRORISTAS ESTRANGEIROS

A barbárie colonialista da NATO, de inspiração hitleriana nos valores éticos e morais, excepto na questão judaica, invadiu a Síria. A Civilização Ocidental actual é dominada por bárbaros sedentos de sangue humano. Obama, Hollande, Cameron e Ângela Merkel são os bárbaros que dominam a Civilização Ocidental, que apresentam a rede Guantánamo e Sucursais como a síntese dos seus valores éticos e morais.

«A Batalha de Damasco começou»

por Thierry Meyssan
«As potências ocidentais e do Golfo lançaram a maior operação desde a guerra secreta dos Contras na Nicarágua. A Batalha de Damasco não pretende derrubar o presidente Bashar al-Assad, mas enfraquecer o Exército sírio para melhor assegurar o domínio de Israel e dos EUA no Médio Oriente. Enquanto a cidade se está preparando para um novo ataque de mercenários estrangeiros, Thierry Meyssan faz o balanço da situação.»
VOLTAIRE NETWORK | DAMASCO (SÍRIA) | 19 JUL 2012
«Há cinco dias que Washington e Paris lançaram a "Operação Vulcão de Damasco e  terramoto  da Síria" (« Volcan de Damas et séisme de la Syrie »). Não é uma nova campanha de bombardeio aéreo, mas uma operação militar secreta, similar à usada no tempo de Reagan na América Central.»
(François Hollande, o falso socialista inspira-se nos seus antecessores que vandalizaram a Argélia, não se inspira na ética socialista, mas na ética nacional-socialista excepto na questão judaica.

 Obama e Hollande inspiram-se na ética nacional-socialista, na ética nacional-socialista imperial, na ética nacional-socialista de desprezo total e absoluto pela soberania dos Estados independentes e na ética nacional-socialista de desprezo total e absoluto pela condição humana.)


«Provenientes do estrangeiro, os "Contras" conquistaram vários postos fronteiriços no começo da sua invasão da Síria»
«Entre 40 a 60 000 Contras , na sua maioria líbios, vieram há poucos dias para a Síria, a maioria pela fronteira da Jordânia. A maioria deles estão ligados ao  chamado «Exército "Sírio" Livre», as operações secretas são organizadas pela estrutura da NATO, sob comando turco. Alguns são filiados em grupos de fanáticos, incluindo a Al-Qaeda, sob comando do Qatar ou da família real saudita.  Eles tomaram alguns postos de fronteira, e então infiltraram-se em Damasco, onde semearam a confusão, atacando alvos aleatórios que eles encontraram: grupos de polícias ou de militares isolados.
Quarta de manhã, uma explosão destruiu a sede da Segurança Nacional onde se reuniam alguns membros do Conselho de Segurança Nacional. Ela terá matado o general Daoud Rajha (Ministro da Defesa), o general Assef Shawkat (Vice-Ministro) e o general Hassan Turkmani. Os meios do ataque permanecem incertos: pode ser tanto um ataque suicida como um míssil «stealth».
Washington esperava que a decapitação parcial do comando militar levaria alguns oficiais superiores a desertar com as suas unidades, ou até mesmo a se voltarem contra o governo civil do país. Isso não aconteceu. O Presidente Bashar al-Assad imediatamente assinou decretos designando os seus sucessores e a continuidade do Estado foi assegurada.
«De Paris, Berlim e Washington, que ordenaram a operação, virá o jogo de aparente condenação da acção terrorista, reafirmando no entanto o seu apoio político e logístico militar aos terroristas.» (A operação foi ordenada por Obama, François Hollande, Ângela Merkel e ainda por David Cameron). «Sem vergonha, eles concluíram que a responsabilidade por esses assassinatos não foi dos assassinos, mas das vítimas, na medida em que se haviam recusado, sob pressão, a entregar a sua terra natal aos colonialistas ocidentais.
Caracas e Teerão enviaram as suas condolências à Síria, sublinhando que o ataque foi encomendado e financiado pelas potências ocidentais e pelas monarquias do Golfo. Moscovo também expressou as suas condolências e disse que as sanções pedidas pelos ocidentais ao Conselho de Segurança da ONU contra a Síria eram um apoio político para os terroristas que atacaram.
Os canais nacionais de televisão começaram a transmitir canções patrióticas e imagens do Exército. Interromperam programas, o ministro da Informação, al-Omran Zou'bi apelou à mobilização de todos: o tempo não é mais de disputas políticas entre governo e oposição, é a nação que está a ser atacada por estrangeiros. Recordando o artigo de «Komsomolskaya Pravda» em que descreveu a operação dos meios de comunicação preparada pelas monarquias do Golfo e pelos canais ocidentais, ele  informou sobre a gravidade da situação. Então, ele desmentiu as «notícias» do Golfo INTOX de que um motim eclodiu na quarta divisão e explosões devastaram seu quartel principal.
Canais nacionais no ar passam várias vezes por hora  trailers de filmes que mostram como capturar os seus programas em Bird Atlântico em caso de interrupção da Arabsat satélites e Nilesat.

No Líbano, Sayyed Hassan Nasrallah lembrou a fraternidade de armas do Hezbollah para com a Síria contra o expansionismo sionista, e garantiu ao Exército sírio o seu apoio.
O ataque foi o sinal da segunda parte da operação. Os terroristas infiltrados na capital atacaram vários alvos, mais ou menos escolhidos. Assim, um grupo de cem Contras atacou a casa adjacente ao meu apartamento com o grito de Allah Akbar .  Foram dez horas de combates ininterruptos.
Considerando que, no início da noite, o Exército reagiu com medidas eficazes, a ordem foi de usar a força sem restrições. Não era mais para lutar contra os terroristas da Síria desestabilizadores, mas para enfrentar uma invasão estrangeira e salvar o país em perigo.
As aeronaves entraram em acção para destruir as colunas de mercenários que se dirigiam para Damasco.
No final da manhã, a calma voltou, gradualmente, a Damasco. Os Contras e os colaboracionistas foram forçados a retirar. O tráfego foi restaurado nas principais estradas e barragens militares foram instaladas. A vida voltou. No entanto, ainda ouvimos tiros dispersos aqui e ali. A maioria das empresas estão fechadas, e há longas filas nas padarias.
Toda a gente espera que o assalto final seja lançado na noite de quinta-feira para sexta-feira e sexta-feira todo o dia. Há poucas dúvidas de que o exército sírio vai sair vitorioso novamente, porque a relação de forças lhe é favorável, e o exército sírio é apoiado pela população.
Como era esperado, os satélites Arabsat e Nilesat  desligaram o sinal de televisão síria Ad-Dunya a meio da tarde. A conta de Twitter do Ad-Dounia foi pirateada pela CIA para a divulgação de mensagens falsas que anunciavam uma retirada do Exército Nacional Sírio.
A contra-informação do Golfo anunciou um prelúdio do colapso da moeda e a queda do Estado. O governador do Banco Central, Adib Mayaleh, falou na rede nacional de televisão para negar a desinformação e confirmar a taxa de câmbio de 68,30 libras sírias por dólar dos EUA.
Foram mobilizados reforços em torno da praça dos Omíadas, para proteger os estúdios da televisão pública, que são consideradas um alvo prioritário para todos os inimigos da liberdade. Estúdios de substituição foram instalados no hotel Rosa de Damasco, onde estão os observadores das Nações Unidas. (…)
No Conselho de Segurança, a Rússia e a China vetaram pela terceira vez um projecto de resolução dos colonialistas ocidentais e das monarquias  do Golfo para tornar possível uma invasão oficial da NATO. Os representantes da Rússia e da China têm denunciado incansavelmente a propaganda da NATO destinada a negar o ataque estrangeiro contra a Síria. A Batalha de Damasco deve recomeçar hoje à noite.»
Thierry Meyssan
(In   «Red Voltaire»)

Sem comentários:

Enviar um comentário