sábado, 31 de março de 2012

«EXPRESSO» UM JORNAL INDEPENDENTE?

Hoje, sábado, é dia de sair o jornal «Expresso».
Na publicidade que faz este jornal coloca a seguinte frase: «Expresso um jornal que faz opinião».

A seguir podem ler-se textos que mostram que este jornal tenta fazer opinião a favor do PSD. Procura, em síntese, aldrabar quem o compra.

Exponho aqui duas opiniões sobre a linha editorial do «Expresso», sendo uma delas dum comentador de Direita.

Histórico de opiniões sobre a linha editorial do jornal «Expresso».


«Pensem bem

Nunca vi o Expresso defender uma causa com tanto zelo.

Ontem, a manchete proclamava”Durão 1- RTP 0” e, por baixo, zunia – em grande destaque – a seguinte ementa:
“Indemnização de Rangel é de 147 mil contos” (...por azar?) “ilíquidos”, “SIC processa antigo director geral”, “Carrilho pede intervenção do Presidente da República” e “O PS reforma Arons de Carvalho”.



Também na primeira página vinha um editorial – “O fim do saque à RTP?” – em que se “aplaudia o governo e se recomendava silêncio e “pudor” à oposição.




Na quarta página, Fernando Madrinha apoiava a política de Morais Sarmento e, de caminho, ia lamentando que desde quinta-feira o Telejornal abrisse com as manifestações dos trabalhadores da casa, seguindo uma orientação “guerrilheira e umbiguista”.






Na página seis, com a história do despedimento da administração da RTP (informada e neutra), aparecia o interessante currículo de um dos sucessores, Luís Marques, o “único com carreira na comunicação social, jornalista, actual colunista do Expresso” e “ex-subdirector de Informação da SIC, de onde saiu há um ano, por discordâncias com Rangel”.




Na página sete, continuava a dança, com três notícias triunfais: “Rangel pode ficar sem nada”; Rangel não conseguiu aumentar a audiência da RTP 1; e o Tribunal de Contas condena a gestão da televisão do Estado.




Na habitual coluna do “sobe e desce”, Morais Sarmento estava evidentemente no “alto”, com suaves louvores, e Rangel no “baixo”, com uma descompostura em forma,


como, de resto João Carlos Silva no “sobe e desce” do 2º caderno.


Na página 13, Henrique Monteiro exigia o fim da publicidade na RTP.



Na página 28, um segundo editorial tornava a defender a política de Morais Sarmento.




E, na última, caso alguém não tivesse ainda percebido, José António Lima repetia o sermão.


Que dizer disto?...»

(Vasco Pulido Valente)




1 - No Sábado, o Expresso online divulgou uma notícia intitulada «As imagens que antecederam a carga policial», que incluía o seguinte vídeo (utilizado aliás como pano de fundo, pelo menos pela SIC, para as declarações que o ministro da Administração Interna fez no mesmo sentido: a carga policial na manifestação de quinta-feira teria sido provocada por agressões físicas à polícia):



 

2 - Para além de muitos testemunhos de quem presenciou os acontecimentos (ler, por exemplo, Mentir com quantos dentes se tem na boca), um outro vídeo, primeiro difundido no Facebook e entretanto também em vários blogues, vem contrariar o Expresso e as afirmações do ministro: vê-se a «ordem de marcha» dada pelas chefias à polícia, contra manifestantes que apenas gritavam. O primeiro vídeo, truncadíssimo, mostra reacções que se sucederam (e não que antecederam) à carga policial.





4 - Hoje também, Cavaco Silva mostra-se precupado e diz esperar que «que o inquérito ordenado pelas autoridades esclareça tudo o que aconteceu». Pode esperar sentado – e nós também – já que o próprio porta-voz da polícia veio dizer que serão necessários pelo menos seis meses (ou talvez dezoito…) para serem conhecidos resultados. Ou seja: espera-se que já ninguém se lembre exactamente do que aconteceu em 22 de Março de 2012?



Ler para crer! E, já agora, nada mais certeiro como resposta possível do que esta, deixada pela jornalista Rita Marrafa de Carvalho no seu mural do Facebook:

«Só vou dizer isto uma vez, Sr. Ministro... Já me chamaram Chula, FDP, otária, sanguessuga and so on, and so on. Sempre que o fizeram, eu estava com um microfone da RTP a desempenhar o meu trabalho. Nessas circunstâncias, por mais vontade que tivesse, nunca reagi violenta ou agressivamente. Quer em palavras, quer em actos. Por isso, Sr. Ministro... se os senhores agentes foram "provocados", penso que foram treinados para... não reagir. O objectivo é manter a ordem e não vingar a honra da mãe.»

Ponto de situação: julgo que ficamos cientes do que nos espera em situações próximas futuras e sabemos com o que podemos contar da parte da polícia e do seu ministro.» (Joana Lopes)

DIA DA TERRA DA PALESTINA


O Dia da Terra «(em árabe: يوم الأرض, Yom al-Ard)» é comemorado anualmente em 30 de Março e marca, para os palestinianos, os eventos ocorridos nesse dia, em 1976, quando uma greve geral e manifestações foram organizadas nas cidades árabes de Israel - da Galileia ao Negev -, em reacção ao anúncio do plano do governo israelita de expropriação de uma área de 25.000 dunams na Galiléia – por alegadas "razões de segurança e para construção de colonatos". Além disso, uma área ainda maior, situada em três aldeias na área de Al-Mil, foi declarada «zona militar fechada», visando a construção de nove colonatos judaicos. Os árabes de Israel responderam com uma greve geral e manifestações de rua. O exército israelita reprimiu as manifestações, e seis árabes foram mortos, na área de Al Jahil.

Desde 2007, o Dia da Terra Palestina é comemorado com acções do movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), cujo alvo é a basicamente a economia de Israel. Em 30 de Março de 2011, foi lançada, na Palestina, uma campanha internacional para bloquear as actividades do Fundo Nacional Judeu, criado em 1901 com a finalidade de comprar terras na área do antigo Mandato Britânico da Palestina e usá-las exclusivamente para colonatos de judeus.

Durante a guerra de 1948, a maioria da população árabe foi expulsa das suas aldeias por milícias sionistas. As suas propriedades foram transferidas para o Fundo Nacional Judeu, e destruídas a fim de evitar o retorno dos proprietários. O Fundo tem vendido as terras apenas a judeus, para que nelas sejam feitas novos colonatos. Outra prática que tem sido adoptada é o reflorestamento, com espécies não nativas, das áreas das antigas aldeias árabes destruídas, apagando-se assim todos os vestígios de cultura árabe nesses locais. Segundo os activistas, essas práticas violam os direitos humanos da população árabe que ali vivia por gerações, antes da criação do Estado de Israel.

A Palestina pertencia ao Império Romano do Oriente (ou Império Bizantino). A Palestina foi conquistada ao Império Romano do Oriente pelos árabes no século VII d.C.. Os árabes estão na Palestina há mais de mil anos.

O exército de Israel matou ontem mais um palestiniano, no Dia da Terra da Palestina. 

sexta-feira, 30 de março de 2012

PORTUGAL UM PAÍS SEM ESPERANÇA NO PRESENTE E NO FUTURO

A qualidade da Democracia portuguesa da III República é muito má.

Pedro Passos Coelho ganhou as eleições a mentir. Disse o contrário na campanha eleitoral, daquilo que fez. Um exemplo, na campanha eleitoral disse que não ia tirar os subsídios de férias e de Natal. Sentado na cadeira do poder ao lado de Paulo Portas uma das primeiras coisas que fez foi tirar os subsídios de férias e de Natal aos funcionários públicos, aos trabalhadores das empresas do Estado e aos pensionistas. Para isso lançou um imposto especial só sobre estes grupos profissionais, o que é contra a Constituição lançar impostos não universais. Mas a Constituição da III República não é cumprida. Foi muito injusto este imposto, porque se fosse universal, bastaria tirar um subsídio para arrecadar a mesma receita. Estes grupos profissionais pagaram o seu imposto e o dos outros que não o pagaram e se ficaram a rir. Por exemplo, um médico do sector público pagou o seu imposto e pagou também os dos colegas do sector privado (e ficou sem os subsídios de férias e de Natal), bastante mais bem pagos e que se ficaram a rir com os subsídios de féria e de Natal intactos.
O dirigente do PS António José Seguro disse que era contra as injustiças do governo PSD-CDS, mas não votou contra elas, hipocritamente absteve-se e obrigou os deputados do PS a fazerem o mesmo.

Agora foi votado hoje no Parlamento o novo «Código do Trabalho» que institui o despedimento sem justa causa. Votaram a favor o PSD e o CDS. O PS de António José Seguro disse que era contra o despedimento sem justa causa, disse, mas, hipocritamente, não votou contra, excepto uma deputada.

Contra os interesses da maioria da população estão o PSD, o CDS e o hipócrita PS de António José Seguro.

Quem votou num destes três partidos é tão responsável como os dirigentes deles, pelo que os funcionários públicos que votaram neles merecem ficar sem os subsídios de férias e de Natal, tal como os funcionários das empresas estatais e os pensionistas. E também merecem ser despedidos sem justa causa os trabalhadores que votaram num destes 3 partidos.

Quem não votou em nenhum destes 3 partidos é que não merece ser penalizado injustamente, mas nada pode fazer.

Estes 3 partidos, o PSD, o CDS e o PS, estão ao serviço das altas burguesias financeiras da União Europeia. No Brasil há o chamado voto sociológico ou voto social. Isto é, os que não milionários não votam nos partidos dos milionários. Aqui em Portugal é o contrário, os milionários são tão poucos e os não milionários votam nos partidos ao serviço dos milionários. Os portugueses são masoquistas. É por isso que Portugal não tem esperança no presente nem no futuro, a maioria dos que votam, votam a favor dos partidos que lhes tornam a vida um inferno. Um país de políticos mentirosos e hipócritas e com a maioria dos que votam sendo masoquistas não tem nem pode ter esperança no presente nem no futuro próximo.

GREVE GERAL EM ESPANHA


Ontem houve uma Greve Geral em Espanha e diversas manifestações em diferentes cidades.

Segundo «El País» houve manifestações contra a política de tirar muitos direitos aos trabalhadores de 170 mil pessoas em Madrid, em Barcelona de 275 mil pessoas, em Valência de 98 mil pessoas.


«Comunicado del PSOE: "Entendemos las razones de esta convocatoria y mostramos solidaridad con los trabajadores".»



As televisões portuguesas, todas elas alinhadas ao lado do governador de Portugal, Pedro Passos Coelho, às ordens da alemã Ângela Merkel ignoraram a greve geral em Espanha e as manifestações a ela associadas.

quinta-feira, 29 de março de 2012

DESPEDIMENTO SEM JUSTA CAUSA EM PORTUGAL

Os deputados da maioria PSD-CDS preparam-se para aprovar um novo «Código do Trabalho», que permite o despedimento sem justa causa.
O PS de António José Seguro não vai votar contra. Os deputados que não votarem contra o despedimento sem justa causa é porque são a favor,não há terceira via, quem for contra só pode votar contra. A abstenção não é votar contra o despedimento sem justa causa é uma maneira hipócrita de votar a favor.
Mas esse «Código do Trabalho» é globalmente um retrocesso civilizacional, o regresso ao capitalismo selvagem, pelos vistos o PS faz de conta que é da oposição, mas não é.
Muita gente não participou na Greve Geral, porque já vivemos na Economia do Medo.
Fazer greve é meio caminho andado para ser despedido sem justa causa.
E muita gente não participou na Greve Geral, porque nem emprego tem.
O desemprego continua a aumentar, acentuadamente, e para muitos deputados e deputadas vai ser combatido com o despedimento sem justa causa!



terça-feira, 27 de março de 2012

O «JORNAL EXPRESSO», ÓRGÃO DE PUBLICIDADE DO PATRÃO PSD PINTO BALSEMÃO, MENTE




ISRAEL CORTOU RELAÇÕES COM O CONSELHO DE DIREITOS HUMANOS DA ONU

O Governo de Israel cortou relações com o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em resposta à abertura de um inquérito internacional à construção de novos colonatos judaicos na Cisjordânia.

A decisão do corte de relações com o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, anunciada por um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita, tem como implicação prática que os peritos designados pelas Nações Unidas não serão autorizados a entrar em Israel.

O inquérito internacional à construção de novos colonatos judaicos na Cisjordânia foi lançado na quinta-feira da semana passada, contra a vontade expressa dos Estados Unidos, que se opuseram à iniciativa da Autoridade Palestiniana.

"Já não estamos a trabalhar em conjunto com eles", afirmou Yigal Palmor, citado pelo Público, a partir da Reuters. "Estávamos a participar em reuniões, em discussões e na preparação das visitas a Israel. Tudo isso acabou”, declarou o porta-voz.

Os líderes israelitas condenaram a decisão do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, considerando-a “hipócrita” e “preconceituosa em relação a Israel”. “Eles tomam sistematicamente decisões e fazem condenações contra Israel sem levarem em consideração as nossas posições”, criticou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita.

Em causa está o processo de paz, centro da decisão da ONU

Para o Conselho de Direitos Humanos das Nações, a intenção do Governo de Israel põe em causa o processo de paz na região e ameaça a chamada "solução de dois Estados", com vista à criação de um Estado palestiniano independente. Por esta razão, este órgão da ONU condenou os planos de construção de um novo complexo habitacional para os colonos judeus na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

Meio milhão de israelitas e dois milhões e meio de palestinianos vivem na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, duas áreas controladas por Israel desde a guerra de 1967. Os palestinianos reivindicam este território para a criação de um futuro Estado independente, juntamente com a Faixa de Gaza – uma área actualmente controlada pelo Hamas.

Os responsáveis da Autoridade Palestiniana lembram que a construção de colonatos judaicos foi já considerada ilegal pelo Tribunal Internacional de Justiça e que tal medida impede o desenvolvimento de um Estado viável.

Para a NATO todas as selvajarias contra os palestinianos são boas.

Como são boas para a NATO as ditaduras medievais da Arábia Saudita, do Bahrein e do Quatar.

OS JOVENS JSD SÃO OS CANDIDATOS AOS «TACHOS»

segunda-feira, 26 de março de 2012

CAVACO SILVA PEDIU DESCULPA AOS JORNALISTAS AGREDIDOS PELA POLÍCIA


O PR Cavaco Silva pediu desculpa aos jornalistas agredidos pela polícia em 22 de Março de 2012, mas esqueceu-se de pedir desculpa aos não jornalistas que também foram agredidos.

Sinais dos tempos que correm.

domingo, 25 de março de 2012

FAR-WEST DE BRUTALIDADE POLICIAL EM LISBOA EM 22 DE MARÇO DE 2012

A «PSP» andou a cumprir ordens do governo PSD-CDS.


Em declarações ontem feitas à TSF, Diana Andringa classificou como um «sinal inquietante» o facto de a direcção da PSP pretender definir «de que lado os jornalistas devem cobrir os acontecimentos»: «quando se diz que os jornalistas se coloquem do lado da polícia, quer com isto dizer-se que não se quer os jornalistas possam filmar a violência policial e só possam filmar a violência que possa vir eventualmente dos manifestantes». 


Além disso, a carga policial durante a greve geral foi «desproporcionada em relação a todos e mal seria que os jornalistas quisessem mais atenção quanto batem em nós do que em qualquer cidadão». O que se passa é que «uma agressão a um jornalista significa também uma agressão à liberdade de imprensa. Não é que sejamos cidadãos mais importantes, é a liberdade de informação que está a ser ameaçada».  

sábado, 24 de março de 2012

FAR-WEST DE BRUTALIDADE POLICIAL


«Em resumo, a polícia diz que bateu nos jornalistas porque não tinha a certeza se eram jornalistas ou não. Mas estes senhores não sabem que não devem bater nos jornalistas NEM nos manifestantes? Ninguém lhes disse? Parece que lhes disseram o contrário. Voltamos à polícia do Estado Novo? Agressões a grevistas e manifestantes?»

(José Vítor Malheiros, via facebook).


LISBOA, FAR-WEST DE SELVAJARIA POLICIAL EM 22 DE MARÇO DE 2012


sexta-feira, 23 de março de 2012

LISBOA, FAR-WEST DE SELVAJARIA POLICIAL EM 22/03/2012

LISBOA - FAR-WEST EM ESPLANADA DO CHIADO COM TURISTA A LEVANTAR O BRAÇO PARA NÃO SER ESPANCADO PELA POLÍCIA EM 22/03/2012

LISBOA EM 22 DE MARÇO DE 2012 - VIOLÊNCIA POLICIAL


LISBOA EM 22 DE MARÇO DE 2012

GREVE GERAL EM PORTUGAL DE 22/02/2012 - VIOLÊNCIA POLICIAL

OS «VALENTÕES» DA POLÍCIA DE CHOQUE A AGREDIREM UMA MULHER E A DEITÁ-LA AO CHÃO - CÃES RAFEIROS DA DEMOCRACIA AO SERVIÇO DO GOVERNO PSD-CDS. ESTES ANIMAIS SELVAGENS SÃO PAGOS PELOS CONTRIBUINTES.

OS CRIMINOSOS FARDADOS DE AZUL PAGOS PELOS CONTRIBUINTES É QUE, SEGUNDO ELES PRÓPRIOS ANDAM A 'REPOR A ORDEM', ENTENDA-SE A AGREDIREM QUEM LHES PAGA OS ORDENADOS. A BANDIDAGEM PSD-CDS (MINISTROS, MINISTRAS, DEPUTADOS E DEPUTADAS) É QUE HES MANDA FAZER ISTO.

quinta-feira, 22 de março de 2012

DEFINITIVAMENTE SIGNIFICA MIL ANOS? OU MAIS DE MIL ANOS?


«El sueño de viajar en tren desde Madrid a Lisboa en menos de tres horas se aleja. El ministerio de Economía portugués, por medio de un comunicado, aseguraba este jueves que abandona “definitivamente” el proyecto, anunciado ya en 2003 en una cumbre bilateral presidida por José María Aznar y José Durão Barroso y que, incluso, llegó a tener fecha optimista para su puesta en marcha: 2013.» («El País», hoje)

O sonho de viajar de comboio de Madrid a Lisboa em menos de três horas se desvanece. O ministério da Economia português, por meio de um comunicado, assegura esta quinta-feira que abandona «definitivamente» (deve significar nos próximos mil anos) o projecto, anunciado já em 2003 em uma cimeira bilateral presidida por José Maria Aznar e José Durão Barroso e que, inclusivamente, chegou a ter desfecho optimista para a sua colocação em marcha: 2013.

PAGOS PELOS CONTRIBUINTES PARA AGREDIREM JORNALISTAS HOJE EM LISBOA

Esta foto foi divulgada em todo o Mundo por «El País». Mostra a foto-jornalista da AFP, Patrícia Melo Moreira, que foi agredida, selvaticamente, pela polícia às ordens do governo PSD-CDS.
Nos confrontos no Chiado, hoje, em Lisboa, foi ferido pela polícia chamada de «P.S.P.» também um fotojornalista da Lusa, José Goulão, que teve de receber tratamento.

                                                    PORTO
Testemunhas responsabilizaram esta quinta-feira agentes da polícia infiltrados na manifestação, vestidos à civil, de acordo com as normas estabelecidas para a PIDE/DGS durante as ditaduras de Salazar e Marcelo Caetano, situação que levou a agressões de várias pessoas por elementos da PIDE PSD-CDS, na manifestação de protesto frente à Reitoria do Porto, onde se encontrava o palerma e mentiroso primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, uma espécie de governador de Portugal às ordens da alemã Ângela Merkel.
Em declarações à agência Lusa, Carla Silva, empregada de limpeza na Câmara de Matosinhos, diz que o filho foi agredido a pontapé por "um polícia à civil".
"Jovens estavam a protestar e a polícia decidiu virar-se à 'porrada'. Quando eu vinha a fugir com o meu filho, um polícia à civil deu-lhe um pontapé. Conclusão: gerou-se uma confusão outra vez e ainda prenderam um jovem. E a polícia é que tem a razão. No nosso País é assim", acrescentou.

DE MAASTRICHT 1992 A LISBOA 2009 – TRATADOS PORNO-MALÉFICOS

O ABERRANTE TRATADO NEOLIBERAL DE MAASTRICHT DE 1992 E AS ABERRANTES NORMAS DA MOEDA EURO E DO ABERRANTE E ILEGITIMAMENTE CHAMADO ‘BANCO CENTRAL EUROPEU’ TÊM PROVOCADO UMA BRUTAL E SELVAGEM TRANSFERÊNCIA DE RIQUEZA PARA AS ALTAS BURGUESIAS FINANCEIRAS EUROPEIAS. O TRATADO DE MAASTRICHT DE 1992 É A ORIGEM DE TODOS OS MALES. O OVO DA SERPENTE FOI POSTO EM MAASTRICHT. OS TRATADOS QUE SE SEGUIRAM, DE AMESTERDÃO DE 1999, DE NICE DE 2001 E DE LISBOA DE 2009 VIERAM ESPECIFICAR E CONSAGRAR A TOMADA DO PODER NA UNIÃO EUROPEIA PELA ALTA BURGUESIA FINANCEIRA.

Entretanto em 1 de Junho de 1998 foi criado o «Banco Central Europeu», com sede na Alemanha, em Frankfurt, e em 1 de Janeiro de 1999 o euro como moeda física iniciou o seu percurso.

Foi por uma questão de natureza religiosa, isto é, por uma questão de fé, que esses maléficos tratados foram assinados de forma suicidária por muitos governos.

O chamado «Banco Central Europeu» foi criado com normas claras de benefícios às altas burguesias financeiras, contra os interesses dos Estados. Foi proibido de emprestar dinheiro directamente aos Estados, em condições normais, e obrigado, em condições normais a emprestar dinheiro directamente às altas burguesias, para estas depois emprestarem aos Estados, cobrando lucros imorais de intermediação.

O ilegitimamente chamado «Banco Central Europeu» emprestou às altas burguesias financeiras dinheiro a 1%, para estas emprestarem a 7% ao Estado da Itália!!!

«De favor» o tal chamado ilegitimamente «Banco Central Europeu» emprestou a 5% dinheiro à Grécia, à Irlanda e a Portugal a troco da destruição por estes países dos respectivos mercados internos.

O ministro das Finanças de Portugal do governo PSD-CDS esteve, recentemente, nos Estados Unidos, onde conversou com o presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos. O ministro europeu devia era convencer o presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos a emprestar dólares ao governo de BaracK Obama a 5% ou então a 7% como aconteceu com o empréstimo ao Estado da Itália, e a propor leis para a Reserva Federal dos Estados Unidos iguais às do «Banco Central Europeu»…

Até ao presente a Alemanha tem ganho muito dinheiro à custa dos outros países que aceitaram ter a moeda euro segundo as normas erradas da moeda euro e do errático ilegitimamente chamado «Banco Central Europeu», estabelecidas pelo errático Tratado de Maastricht de 1992, e pelos outros que se lhe seguiram especificando a tomada do poder pelas altas burguesias financeiras.

Os alemães são especialistas em começar guerras e perdê-las. Falharam e falham muito na análise prospectiva, isto é, na análise das consequências futuras das suas decisões.

Para já a economia da Grécia foi mesmo ao fundo.

A seguir apresento mais uma opinião sobre as medidas recessivas impostas à Grécia.



«O relatório da missão do FMI que recomendou o novo pacote de resgate da Grécia é um caso de estudo.

O relatório da missão do FMI que recomendou o novo pacote de resgate da Grécia é um caso de estudo.

A missão sustenta a recomendação baseada na aplicação de uma ainda mais austera desvalorização interna. Mas no seu relatório integra uma caixa sobre a "experiência internacional de desvalorizações internas" que contradiz de forma evidente qualquer possibilidade dessa desvalorização interna poder vir a resolver os problemas da Grécia.

Afirma que essa experiência mostra que "restaurar a competitividade por meio de desvalorizações internas revelou-se ser um difícil compromisso com muito poucos sucessos". Que será sempre "necessariamente um processo doloroso", e que as condições necessárias para que possa vir a ter possibilidades de êxito vão desde "um inicialmente baixo rácio da dívida pública" à existência de "circunstâncias externas favoráveis", passando por um "desenvolvido sistema central de transferências" ou "um limitado Estado social". Concluindo que "a maioria das condições de sucesso falta na Grécia".

E compara o caso da 
Argentina (tão deturpado em Portugal), recordando que a desvalorização interna comandada pelo FMI em 1998-2002 foi um completo fracasso gerando "recessão profunda", "falências, desemprego e pobreza", "cortes nos salários e pensões"… e que após a ruptura com a desvalorização interna bastaram dois trimestres para se "iniciar uma recuperação rápida e sustentada".

É incrível que perante tudo isto o FMI e parceiros da troika teimem na via da desvalorização interna, penosa e sem perspectivas de sucesso.

Sendo a situação e condições portuguesas idênticas, seria um efectivo serviço público a publicação da tradução integral daquela caixa favorecendo o urgente debate sério sobre as alternativas.» (Octávio Teixeira in «negócios on line»)



BANCO CENTRAL EUROPEU

O Banco Central Europeu (BCE) para leigos.

O BCE É um banco?

 - O BCE é o banco central dos Estados da UE que aderiram ao euro (zona euro), como é o caso de Portugal.

E donde vem o capital do BCE?

- O capital do BCE, aliás o capital social, é o dinheiro de todos nós, cidadãos da UE, na proporção da riqueza de cada país. Assim, à Alemanha correspondeu 20% do total. Os 17 países da UE que aderiram ao euro entraram no conjunto com 70% do capital social e os restantes 10 dos 27 Estados da UE contribuíram com 30%.

E é muito, esse capital?

- O capital social inicial era 5,8 mil milhões de euros quando o BCE foi criado em 1998 e a moeda física euro iniciou o seu percurso em 1 de Janeiro de 1999, mas no fim do ano 2010 foi decidido fazer o primeiro aumento de capital, em três fases. No fim de 2010, no fim de 2011 e no fim de 2012 até chegar a 10,6 mil milhões o capital do banco.

Sendo o BCE o banco da zona euro, será que ele pode emprestar dinheiro a Portugal?

 - Diretamente não pode. Porquê? Isso não sei, mas... são as regras.

Então, a quem pode o BCE emprestar dinheiro?

 - A bancos intermediários alemães, franceses ou até portugueses.

Ah percebo, então Portugal, ou a Grécia, quando precisam de dinheiro emprestado não vão ao BCE, vão aos outros bancos que por sua vez fazem um empréstimo no BCE.

 - Já está a perceber... Felicitações.

Que complicação! Não seria menos complicado Portugal ou a Grécia recorrerem directamente ao BCE?

 - Certamente. Mas se assim fosse O BCE seria um concorrente para todos os bancos e os pobres banqueiros nada ganhavam com o negócio.

Agora não percebi bem !...

 - Vejamos, os bancos precisam de ganhar uns tostões. O BCE de Maio a Dezembro de 2010 emprestou cerca de 72 mil milhões de euros a países da zona euro, a chamada dívida soberana, através de um conjunto de bancos, a juros de 1% e esse conjunto de bancos emprestaram ao Estado português e a outros Estados a juros de 6 ou 7%.

Mas isso é uma verdadeira "mina de ouro"! Só para irem a Bruxelas buscar o dinheiro?

 - Não necessariamente. A sede do BCE é na Alemanha, em Frankfurt. Neste exemplo, os bancos ganharam com o empréstimo a Portugal uns 3 ou 4 mil milhões de euros.

Isso é um verdadeiro roubo... com esse dinheiro de juros escusava-se até de cortar nas pensões, subsídio de desemprego ou parte do 13º mês.

- Têm de perceber que os bancos têm de ganhar bem, senão como é que podiam pagar os dividendos aos accionistas e aqueles ordenados aos administradores que são gente muito competente e colaboradora?

Mas quem é que manda no BCE e permite um escândalo destes?

- Mandam os governos dos países da zona euro. Em primeiro lugar a Alemanha e a França que são os países mais ricos. Portugal, Grécia, por exemplo, pouco ou nada têm a dizer.

Então, os Governos dão o nosso dinheiro ao BCE para eles emprestarem aos bancos a 1%, para depois estes emprestarem a 5 e a 7% aos Governos que são donos do BCE?

 - Bom, não é bem assim. Como a Alemanha é rica e pode pagar bem as dívidas, os bancos levam só uns 3%. A nós ou à Grécia ou à Irlanda que estamos de corda na garganta e a quem é mais arriscado emprestar, é que levam juros a 6%, a 7 ou até mais.

Então nós somos os donos do dinheiro e não podemos pedir ao nosso próprio banco!...

 - Nós, mas qual nós? Os países não são só compostos por gente vulgar como você e eu. Não queira comparar um "zé povinho" qualquer que ganha 400 ou 600 euros por mês ou um fatalista que anda para aí desempregado, com um grande accionista que recebe 5 ou 10 milhões de dividendos por ano, ou com um administrador duma grande empresa ou de um banco que ganha, com os prémios a que tem direito, uns 50, 100, ou 200 mil euros por mês.

Mas os nossos Governos aceitam uma coisa dessas?

 Claro que sim. Grande parte dos governantes conservam sempre uma forte amizade com os banqueiros em troca de favores recíprocos. Mantendo esta amizade, o governante, no caso de não ter votos suficientes nas próximas eleições, sempre pode arranjar um "tacho" num banco. Aliás esta amizade é muito importante no caso de financiamento de uma campanha eleitoral.

Mas então eles não estão lá eleitos por nós?

 - Claro que sim, mas depois.... quem tem a "guita" é que manda. É o que se vê nesta atual crise mundial. Essa "máquina" a que se chama sistema financeiro transformou o mundo da finança num gigantesco casino onde são sempre os mesmos que ganham, o que levou os EUA e a Europa à beira da ruína. Evidentemente, essas pessoas importantes guardaram o dinheiro em lugar secreto e deixaram-nos a "berrar", então, os Governos dos EUA e a Europa, para evitar a ruína dos bancos tiveram de repor o dinheiro.

E onde o foram buscar o dinheiro?

 - Boa pergunta! Onde havia de ser? Aos impostos, aos ordenados, às pensões e outras formas  de obter dinheiro facilmente. De onde havia de vir o dinheiro do Estado?...

Mas meteram os responsáveis na cadeia?

 - Pergunta ridícula! Se eles é que criaram o desastroso e sofisticado sistema financeiro, só eles sabem como o remediar e pôr as coisas em ordem. É claro que alguns mais duvidosos, como Raymond McDaniel, que era o presidente da Moody's, uma dessas agências de rating que classificaram a credibilidade financeira de Portugal como 'lixo" e empurraram o país no abismo, foram postos na reforma antecipada. Como McDaniel também tem direitos, recebeu uma indemnização de 10 milhões de dólares.

E então como vai ser futuro? Temos que nos calar?

 - Isso já não sei e aliás é "muita areia para a minha camioneta", eu só quis explicar o que percebi... (In «Lusófonos na Bélgica»)

CHRISTINE LAGARDE É UMA MULHER ENVOLVIDA EM ESTRANHOS NEGÓCIOS

CHRISTINE LAGARDE DIRIGIU UMA FIRMA DE ADVOGADOS DOS EUA AO SERVIÇO DA INDÚSTRIA MILITAR DOS EUA.
O dinheiro da União Europeia para a modernização da agricultura da Polónia foi desviado para a compra de aviões de guerra F16 aos EUA. Esse estranho desvio deu origem ao atrás referido estranho negócio de compra dos F16, organizado por Christine Lagarde, na qualidade de dirigente da atrás referida firma de advogados, a mentirosa directora actual do FMI.

O plano de urgência de Outubro de 2011, adoptado pelos países da zona euro e pelo FMI de ajuda à Grécia coincidiu com um pedido de compra pela Grécia aos Estados Unidos de 400 tanques M1 Abrams e 20 veículos anfíbios AA7VA1 por 1 280 milhões de euros. Os Estados Unidos aprovaram a atrás referida venda.

Christine Lagarde nasceu em 1956, na França.
Após graduar-se em 1974 no Liceu Claude Monet em Le Havre, recebeu uma bolsa de estudo e ingressou na Holton Arms School em BethesdaMaryland, onde completou uma licenciatura em Inglês. De regresso a França, Christine Lagarde formou-se no Institut d'Études Politiques d'Aix-en-Provence em Direito Social e participou na Universidade de Paris X - Nanterre (ou Sciences Po Paris) para se preparar para a candidatura de admissão à ENA.  Christine Lagarde reprovou duas vezes no vestibular e acabou por receber um mestrado em Inglês, um mestrado em Direito comercial e um diploma em Direito do trabalho pela Universidade de Paris X - Nanterre.

quarta-feira, 21 de março de 2012

OS CRIMES DA NATO NA LÍBIA E OUTROS - COMPARAÇÃO

Foram presos 6 juízes na Itália por estarem ligados à Máfia.

Muito pior que a Máfia italiana é a NATO.

Os «Tribunais» internacionais que funcionam nos países da NATO e da União Europeia, mais concretamente na Holanda, como o «TPI» têm só juízes corruptos, muito mais corruptos que os 6 juízes italianos presos por ligações à Máfia.

A «Amnistia Internacional» é dominada por homens e mulheres de países da NATO e da União Europeia. É especialista em ver os crimes dos inimigos dos seus países. Mas, mesmo assim, às vezes, diz umas verdades «inconvenientes» para a NATO. A «AI» questionou a NATO por não investigar a matança de dezenas de civis líbios pela própria NATO. A «Amnistia Internacional» registou o assassinato de 55 civis líbios pelos aviões homicidas da NATO, incluindo 16 crianças e 14 mulheres.

Os Crimes de assassinato da NATO não são julgados pelo corrupto «TPI».

Hipocrisia das hipocrisias, países como a Grécia, Portugal e a Irlanda são notícia em todo o Mundo pelas dificuldades financeiras. A Irlanda tem as mãos limpas, porque não pertence à NATO. Mas os assassinatos de crianças e mulheres e homens civis pela NATO são abafados pelas Censuras das democracias.

Proteger civis, entenda-se, foi assassinar civis com aviões, incluindo crianças e mulheres. Hipocrisia das hipocrisias a NATO foi para a Líbia destruir e matar, oficialmente para «proteger civis». Entenda-se «proteger civis» o factual que foi, factualmente, assassinar crianças e mulheres.

Sarkozy, um criminoso de guerra, de acordo com as normas dos chamados «Julgamentos de Nuremberga», chora as três crianças judias e um adulto assassinados em França, em Toulouse, mas ri-se das, pelo menos, 16 crianças assassinadas pelos assassinos que iam a pilotar os aviões da NATO.

Um assassino de crianças dentro de um avião da NATO é um assassino que goza do «Direito» dois pesos e duas medidas. Frios, selvagens, bárbaros, ferozes, cruéis, sádicos, desumanos os assassinos de crianças dentro de aviões franceses são para Sarkozy «bons assassinos».

A RUPTURA DEFINITIVA DA ESQUERDA MARXISTA COM O ESTADO DE ISRAEL.

Como podemos ver neste blog a União Soviética foi um dos países que decidiram dividir a Palestina em dois Estados, um para os judeus, outro para os árabes-palestinianos, em 1947.

A União Soviética votou, na ONU, em 1947, a favor da concessão aos judeus de parte da Palestina, para estes aí formarem um Estado judaico, ao lado de um Estado árabe palestiniano.

A ruptura definitiva da Esquerda marxista com o Estado de Israel foi em 1973.

A União Soviética forneceu meios militares ao Egipto para este vencer Israel.

Em 6 de Outubro de 1973, no dia mais sagrado dos judeus, chamado Yom Kippur, o Egipto e a Síria atacaram simultaneamente Israel.

As armas anti-tanque e anti-aéreas fornecidas pela União Soviética ao Egipto deram origem a uma rápida vitória, inicial, das tropas do Egipto que expulsaram os israelitas do canal de Suez e destruíram, praticamente, toda a força aérea israelita.

Os Estados Unidos entraram, unilateralmente, na guerra ao lado de Israel, com o apoio de Portugal, que colocou a base das Lajes nos Açores ao serviço dos Estados Unidos e de Israel.

Conheço pessoalmente, quem, de nacionalidade portuguesa, estava durante essa guerra, de serviço na base das Lajes, nos Açores, e viu com os seus olhos os Estados Unidos a reporem a força aérea israelita, dando a Israel os melhores aviões da força aérea dos EUA, via base das Lajes.

A entrada unilateral dos Estados Unidos nesta guerra, ao lado de Israel, impediu o colapso total das forças militares de Israel.

Israel e Estados Unidos juntos contra o Egipto e a Síria era demasiado para a Síria e o Egipto.

Assim, Israel avançou para conquistar Damasco. Ia a meio do caminho, quando recebeu um claro aviso da União Soviética – nem mais um passo em direcção a Damasco ou a União Soviética, entrava, imediatamente, na guerra ao lado da Síria e do Egipto.

E os israelitas pararam, imediatamente, o avanço, ou os mísseis soviéticos de longo alcance começavam, imediatamente, a cair sobre o Estado de Israel. Caso os Estados Unidos retaliassem contra a União Soviética, começava, imediatamente, a III Guerra Mundial.

Hoje sabe-se, que se a União Soviética fosse atacada pelos Estados Unidos, na primeira vaga do contra-ataque lançaria uma chuva de bombas atómicas A e H (as de hidrogénio, as mais potentes) sobre todas as instalações militares dos Estados Unidos, sobre todas as cidades dos Estados Unidos, e sobre todas as fábricas dos Estados Unidos. Era o fim dos Estados Unidos e seria também o fim da União Soviética. Contrariamente ao que os neoconservadores pensavam, a União Soviética não lançaria um primeiro ataque só contra os alvos militares. Os neoconservadores nessa altura defendiam um ataque dos Estados Unidos contra a União Soviética.
Mas no primeiro contra-ataque a União Soviética iria concretizar logo a destruição total dos Estados Unidos. Não devemos esquecer que a União Soviética tinha bombas atómicas suficientes para a destruição total de 3 planetas iguais ao planeta Terra.

segunda-feira, 19 de março de 2012

GREVE GERAL EM PORTUGAL NO PRÓXIMO DIA 22 DE MARÇO

manifesto_152.jpg

A CGTP-IN, no âmbito da Greve Geral do dia 22 de Março, promoverá um conjunto de acções públicas em todos os distritos do país, nos seguintes locais de concentração.  Alguns a seguir.

Lisboa: Rossio, às 14h.
Porto: Praça da Liberdade, às 15h.
Coimbra: Praça 8 de Maio, às 11h.
Setúbal: Largo da Misericórdia, às 11h.
Barreiro: Largo da Santa no Alto Seixalinho com desfile para o Largo Catarina Eufémia, às 15h30.
Braga: Praça da Arcada, às 15h.
Corroios e Cova da Piedade: Desfile para o Laranjeiro/Praça da Portela, às 10h30.